Vereadores definem na sexta composição da Mesa Diretora

Atual presidente tenta a reeleição enquanto outros parlamentares buscam construir chapa alternativa

 

Matheus Augusto

Os vereadores decidem, na próxima sexta, às 10h, a composição da Mesa Diretora pelos próximos dois anos. O atual presidente Eduardo Print Jr (PSDB) tentará a reeleição ao lado de Rodrigo Kaboja (PSD), Israel da Farmácia (PDT) e Zé Braz (PV). Ademir Silva (MDB) deixa a composição após substituir Roger Viegas (Republicanos). Apesar de ainda não oficializada, o vereador Rodyson do Zé Milton (PV) confirmou ao Agora que articula a formação de uma chapa alternativa para participar da disputa. 

Reeleição 

À frente da Mesa Diretora desde o início da atual legislatura, em janeiro de 2021, Print destaca as medidas implementadas durante sua gestão. Seu principal objetivo, explica, tem sido modernizar o Legislativo e, ao mesmo tempo, reduzir os gastos internos.

— Quando iniciamos o desafio de assumir a Mesa Diretora, em 2021, sabíamos das dificuldades que enfrentaríamos. Coloquei duas palavras como norte da nossa gestão: austeridade e economia. Com diversas medidas internas, conseguimos efetuar a devolução de R$ 752 mil à Prefeitura no primeiro ano de gestão. Foi histórico. Além disso, colocamos a Câmara mais perto do povo, de uma forma humanizada e com acesso rápido pelas plataformas digitais. As informações da Câmara chegam à população a todo momento — detalha. 

Sobre a disputa da reeleição, o atual presidente cita a resposta positiva dos colegas a seu mandato, o qual espera poder dar continuidade.

— Conversei com muitos vereadores sobre nossos projetos e o feedback deste mandato foi bastante positivo. É o reconhecimento de um grande trabalho e que trouxe muitos resultados para a Câmara. Coloquei meu nome à disposição, juntamente com os vereadores Zé Braz, Israel e Kaboja, e tenho muita confiança de que conseguiremos fazer com que a Câmara continue sendo exemplo para todo o estado, com projetos inovadores e econômicos, como a Escola do Legislativo, que é modelo para o Brasil inteiro — defende.

Chapa alternativa

Enquanto isso, Rodyson deve integrar uma chapa alternativa pela Mesa Diretora. Ele vê os dois próximos anos, período pelo qual a próxima chapa atuará à frente do Legislativo, como fundamentais na defesa dos princípios de autonomia, liberdade e equilíbrio.

— Será um momento de conciliação com a cidade. Temos que pensar no todo de Divinópolis. (...) O que queremos é autonomia e liberdade, (...) e não de usar o Poder Legislativo para projetos pessoais e políticos — ressalta.

 

Rodyson avalia o momento de Divinópolis como único, dada a eleição de dois deputados estaduais, um federal e um senador. Por isso, expressa a necessidade de uma chapa que não seja base nem oposição, mas trabalhe em prol da cidade.

— É um momento único que Divinópolis está vivendo. 2023 é um momento que temos que preocupar com a cidade e não antecipar a eleição de 2024. O que queremos é união para trabalhar para coletividade e deixar os pensamentos de pessoalista, de campanha, de lado — defende.

Se por um lado a eleição para presidente, senador, governador e deputados acabou, de outro se aproximam as disputas municipais para prefeito e vereador, em 2024. Rodyson ressalta preocupação de possíveis colegas já preocupados com o próximo pleito. Usar do Legislativo, através da Mesa Diretora, poderia, em sua avaliação, criar uma “crise sem precedentes e quem perde é a cidade”. Novamente, ele reforça a importância de uma chapa alternativa moderada. 

— O papel nosso é de ponto de equilíbrio na Câmara — define.

Projetos 

Em pauta, três projetos, todos relativos à mudança de nomes de rua - dois propostos por Rodrigo Kaboja (PSD) e um pelo líder do governo na Câmara, Edson Sousa (Cidadania). Kaboja solicita que a rua Sete, no bairro Expansão Jardim Capitão Silva (2º prolongamento) seja nomeada em homenagem a Marlene Ribeiro de Melo. Natural de Carmo da Mata, ela mudou-se para Divinópolis, onde atuou como professora de Religião e Educação Moral e cívica, nas escolas Joaquim Nabuco e Padre Mathias Lobato

— Colaboradora e voluntária em atividades voltadas à famílias de baixa renda e com problemas de violências domésticas, auxiliou na promoção da vida e da paz dentro de muitos lares. Para todos os amigos e conhecedores de seu trabalho fica o legado da mulher de fibra, generosa e justa — defende.

Faleceu em Divinópolis em 27 de julho de 2022, deixando na comunidade um grande legado de trabalho ao próximo. 

Ele também propõe a alteração de rua Um, no bairro Erminópolis, para Janete Terezinha Lopes Pereira, natural de Santo Antônio dos Campos. Em 1995, tomou posse na Prefeitura como professora na Cidade do Divino, município para o qual mudou-se para o bairro Esplanada e, em três anos depois, para o São João de Deus. 

—  Professora Janete Terezinha Lopes Pereira veio a óbito em 2021, deixando um legado de trabalho exercido com seriedade, profissionalismo dos serviços prestados à comunidade Divinopolitana, e principalmente o amor pelos seus alunos — justifica.

Por fim, Edson apresenta sua proposta para nomear a Praça I, no bairro Residencial Boa Vista, como Praça Amilton Antônio Berigo.  Ele morreu no ano passado, após complicações da covid-19. Edson destaca a atuação do homenageado na liderança comunitária, na Secretaria de Esportes e Juventude (Semej) durante a gestão de Vladimir Azevedo e a defesa de causa sociais, em especial em prol das pessoas com deficiência. 

— Amilton ainda realizava regularmente bazares beneficentes, cuja renda era revertida em obras assistenciais para população vulnerável da cidade. (...) Homem honesto e justo, ganhou a confiança, o respeito, o carinho e a amizade de todos os que conviviam com ele. A trajetória inspiradora de Amilton o tornou um homem respeitado e admirado na cidade e é por isso que hoje recebe esta homenagem — cita o vereador. 

 

 

Comentários
×