Vai voltar

 

Vai voltar 

A cobrança para a conclusão do Hospital Regional tira, neste momento, um pouco o foco do Governo do Estado e volta novamente para a Prefeitura de Divinópolis e Câmara. Como todo mundo já ouviu em alto e bom som, a retomada aos trabalhos está travada em trâmites burocráticos, mas não no Estado. Pelo menos desta vez. O terreno do hospital cedido ao Estado por meio de votação no Legislativo, precisa voltar à Casa para uma nova votação. ‘Levou pau’ no cartório porque parte dele consta como área urbana e a outra, rural. Depois da votação que o transforma apenas em espaço urbano será encaminhado novamente ao cartório para que, finalmente, resolva de vez as pendências relativas ao terreno. Pelo menos é o que se espera. Que agora, sejam observados tudo que pode causar alguma recusa, não é possível, nem a Prefeitura nem a Câmara terem se atentado para isso. 

Sem noção 

Enquanto o cartório identificava a brecha no documento por falha dos Poderes Executivo e Legislativo locais, o governador Romeu Zema (Novo), era vítima de xingamentos e apelidos por parte de alguns vereadores. Mal sabiam eles que também tinham, literalmente, ‘culpa no cartório’. Por isso, é necessário muita apuração dos fatos antes de ir para o microfone e ‘descer o cacete’. Além disso, usar da cautela ao falar. Depois que as palavras saem da boca, tentar remendar fica pior. 

Fim do ano 

É a previsão dada por Zema na semana passada, quando esteve em Divinópolis, para a conclusão das obras. Isso não significa que dure até lá. Pode ser que, dependendo da agilidade da Prefeitura, da Câmara e outros órgãos que farão a análise posterior, este prazo seja encurtado. Em se tratando de ano eleitoral pode ser que sim, pode ser que não. Lembrando, mais uma vez, que, para o processo andar, depende da Prefeitura e da Câmara. Esqueçam o Governo do Estado, ao menos por enquanto. 

Central de Regulação

Muito criticada e não é fácil encontrar uma vaga. A demanda gigantesca é coordenada pelo Estado, que consegue as internações nem sempre na cidade de origem do paciente. O sistema é interligado e o doente vai para onde aparece o leito primeiro. É vagaroso, sim. Tem vaga para todos, não. Poderia ser feito de forma diferente, talvez. Pessoas conhecedoras do funcionamento dos modelos de saúde, atualmente, opinam que não. Enfim, é o que temos para hoje. Mas alguém precisa avisar a alguns vereadores que o programa não foi criado na gestão de Romeu Zema, muito menos do secretário de Saúde de Divinópolis, Alan Rodrigo Silva. Nem Alan nem o superintendente regional de Saúde, Júlio Barata, podem intervir no modelo nem arrumar vaga para ninguém. Por isso, mais uma vez, é preciso conhecimento para falar e, principalmente, criticar. 

Operação aniversário 

A solenidade de comemoração dos 45 anos da 7ª Região da Polícia Militar (7ª RPM) é hoje na sede da 7ª Companhia de Policiamento Especializado, no bairro Icaraí. Mas, a operação alusiva à data está em vigor desde a última segunda-feira, desencadeada em toda a extensão territorial da 7ª RPM. E o saldo já é para lá de positivo. Armas e munições apreendidas, pessoas presas, veículos apreendidos, entre outros. E não poderia ser diferente. As ações implementadas pela PM na cidade e região sempre trazem resultados dignos de elogios. Parabéns a todos os militares pelo trabalho incansável e a 7ª Região por quatro décadas e meia de implantação e excelência no trabalho.

 

Comentários
×