Três mineiros são cotados para compor governo Lula

Dois deles em ministérios importantes; um já fez parte do primeiro governo do pestista

Da Redação


A importância e protagonismo que Minas Gerais teve nas eleições 2022 deve refeltir na composição do governo Lula (PT). Três nomes que foram importantes na campanha vitoriosa em território mineiro são cotados para assumir dois ministérios e uma diretoria. O primeiro a ser ventilado é do deputado federal reeleito Reginaldo Lopes (PT), aliado antigo de Lula, cotado para o Ministério da Educação.

Outro nome comentado e também aliado importante do presidente eleito, Alexandre Silveira (PSD) pode ficar com a Infraestrutura. Além de ter sido o candidato do petista ao Senado, Silveira já integrou o governo Lula em seu primeiro mandato. Foi diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Se estçao confirmados, ainda não é possível cravar, mas o certo é que o PSD, o qual tem Alexandre Silveira como presidente em Minas, terá pelo menos um ministério da gestão de Lula.


Outro nome


Outro que ficou mais conhecido por romper às relações com Romeu Zema (Novo) do que vice-govenador, também entrouno radar. Ainda atual vice de Zema, Paulo Brant (PSDB) é cotado para assumir uma diretoria no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Na campanha eleitoral presidencial, Brant assumiu publicamente apoio a candidatura de Lula. Conforme informações da Rádio Itatiaia, seu nome tem sido ventilado no banco por empresários e interlocutores ligados ao grupo de transição de governo, que ainda vem sendo formado.

Cargos 


E se depender do currículo do vice-governador, o cargo está garantido. Ele é economista, especialista em estratégia empresarial e já atuou como diretor-presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). Ele também foi chefe de gabinete do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no final do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

 

Comentários
×