Sínodo já começou

Raimundo Bechelaine

Sínodo já começou

Sabemos todos que a nossa língua portuguesa vem do velho latim. Mas recebemos contribuições de outras línguas. Por exemplo, das línguas indígenas e do árabe temos muitas palavras. 

Da veneranda língua grega vem uma parte imensa do nosso vocabulário. Podemos até dizer que falamos grego, sem saber que o fazemos. Sínodo, uma velhíssima palavra grega, passou a fazer parte do nosso presente. Significa caminhar juntos, do prefixo syn (juntar) acoplado ao vocábulo hodós (caminho). Há pouco, foi o "Sínodo sobre a Amazônia". Causou alguma polêmica e recebeu atenção da imprensa e redes sociais. 

Agora, é o Sínodo universal da Igreja, aberto pelo papa Francisco no domingo, 10 de outubro passado. Cumprirá um processo de dois anos, até sua conclusão, em outubro de 2023. O papa decidiu realizar uma consulta universal a todos os setores da Igreja e mesmo aos ambientes não católicos. A ideia foi recebida com surpresa em inúmeros setores. Muitos, com receio e negativismo. Os grupos conservadores veem a iniciativa com maus olhos. Porém há igualmente muito otimismo e apoio. Surgiram expressões entusiasmadas, chegando-se a falar em "maior consulta democrática da história". Espera-se que o maior número possível dos um bilhão e trezentos milhões de católicos do mundo participem, mas adeptos de outras religiões e até ateus poderão apresentar suas ideias e sugestões. O lema já foi lançado: "Por uma Igreja Sinodal, comunhão, participação e missão".

Na Diocese de Divinópolis, dom José Carlos fez a abertura da fase diocesana com uma celebração na Catedral, no domingo, 17 de outubro, e todos os padres foram instados a fazerem o mesmo nas paróquias. Foi criada e já está em ação uma Equipe Executiva Diocesana. A partir de terça-feira passada, 16/11, os questionários começaram a ser encaminhados, por via impressa, a todos os agentes diocesanos. Entretanto, qualquer pessoa pode encontrá-lo e respondê-lo na internet. As paróquias e os meios de comunicação da Diocese transmitirão mais informações sobre o assunto.

Escreveu a Equipe Executiva: "Retomar o caminho sinodal na vida da Igreja, como um dos frutos do Vaticano II, é retomar a via das origens na ação eclesial, como afirmou o papa Francisco: "o caminho da sinodalidade é o caminho que Deus espera da Igreja no Terceiro Milênio"". Depois do Concílio Ecumênico Vaticano II, convocado pelo papa João XXIII, e na continuidade dele, esta é, sem dúvida, a iniciativa mais ousada e grandiosa da Igreja, nas últimas décadas. O que resultará daí? Por enquanto, somos chamados a crer e participar. 

[email protected]




Comentários
×