Serra do Curral, cometeremosos mesmos erros?

Serra do Curral, cometeremosos mesmos erros?

 

Laiz Soares

O ano de 2022 começou de forma bruta, logo nos primeiros dias nos vimos diante de desastres ambientais terríveis. Vidas foram perdidas, famílias perderam seus bens materiais e negócios foram destruídos. Testemunhamos da pior forma as consequências de governos omissos em relação à natureza.

Na época, foram levantados debates sobre as pautas ambientais e sobre a necessidade de o poder público prevenir, e não remediar, desastres ambientais. Entre as medidas que diminuiriam os impactos da chuva, estavam ações de drenagem, preservação de mata nativa, análise de risco e gestão de informação para alerta da população.

Agora, apenas quatro meses depois desse momento trágico da história mineira, parece que esquecemos da importância da preservação da natureza. Negligenciando a pauta ambiental, o Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) aprovou o licenciamento total para mineração na Serra do Curral, em Nova Lima. 

Mais uma vez, as pautas ambientais são descredibilizadas pela gestão pública. No caso da Serra do Curral, a preservação de sua biodiversidade garante a distribuição hídrica da região, a regulação do clima da capital e as chuvas da região metropolitana. 

O paredão favorece o início das chuvas e ainda ajuda a romper a estabilidade da atmosfera do período de seca. A altitude da Serra também preserva a região de mudanças climáticas drásticas, mantendo a estabilidade da temperatura. Consegue imaginar os impactos que a destruição da Serra causaria na população? 

 A mineradora em questão usaria a região por 13 anos, e seria necessário devastar 41,27 hectares de vegetação nativa de Mata Atlântica, dos quais quase seis hectares estão em áreas de preservação permanente.

Estamos falando de uma região que abriga espécies raras em extinção o corredor ecológico da Serra apresenta 35% de espécies já consideradas ameaçadas, como a onça parda, o lobo guará, tamanduá-mirim e gato do mato.  

A riqueza da Serra do Curral não para por aí: nela encontramos 24 plantas nativas que não são encontradas em nenhum outro lugar no mundo! Não podemos perder esse espaço tão precioso em biodiversidade.

Além do valor ambiental, a Serra do Curral é parte da cultura de Belo Horizonte e região. A área já se encontra em processo de tombamento ao Patrimônio Cultural e Ambiental do Estado, para sua proteção.

A Serra do Curral é o símbolo da nossa metrópole, nela Belo Horizonte teve sua constituição, nela o papa João Paulo Segundo fez sua missa histórica no dia 1º de julho de 1980. Carlos Drummond cita essa Serra em seus textos, assim como ela está nos documentos da fundação de BH. 

Reconhecido em poesias, internacionalmente, na história e na construção de Belo Horizonte, parece que o valor da Serra do Curral é compreendido por todos, menos por aqueles que devem resguardá-la. 



Laiz Soares é formada em relações internacionais pela PUC Minas e estudou administração e marketing na Essca na França. Fez formação executiva no Insper em relações governamentais no Brasil. Chefiou o gabinete da deputada federal Tábata Amaral e fundou o movimento Nenhuma a Menos.

 

[email protected]





Comentários
×