Semana Santa traz a tradição do peixe no cardápio da Sexta-Feira da Paixão

Variedade de pescados oferece muitas opções de preços ao consumidor

 

Jorge Guimarães 

Entre as tradições praticadas pelos cristãos nas celebrações da Semana Santa, o peixe é indispensável no cardápio do feriado da Sexta-feira Santa. É dia de sacrifícios em sinal de consternação pela morte de Jesus e não se deve comer carne vermelha. Assim, nesta época do ano, os preços dos pescados tendem a subir nos pontos de vendas, devido à alta procura. Dessa forma, mais um segmento se junta ao dos chocolates, que comemora a data como a melhor do ano para os empresários do setor. 

 

Preços

A reportagem passou por uma loja de rede de supermercados e verificou os preços dos pescados mais tradicionais e procurados pelos consumidores. Um dos campeões de vendas, não só nesta época, é o filé de tilápia, comercializado a partir de R$ 19,98. Já a tradicional piramutaba, conhecida popularmente por cascudo, saía por R$ 21,90 e o surubim estava R$ 49,90. 

Um dos peixes também tradicionais, o bacalhau pode ser encontrado de vários tipos e maneiras, com preços que cabem em cada bolso. O bacalhau tipo saithe era vendido por R$ 59,90 e o lombo do mesmo pescado saía por R$ 69,90. Já o lombo do bacalhau do Porto era vendido por R$ 148,90 e as postas de bacalhau já dessalgadas e congeladas a eram comercializadas a R$ 86,90.

— Sempre preservamos a tradição de comer peixe na Sexta-Feira Santa. É quando reunimos a família e renovamos nossos votos cristãos. Mas no cardápio não pode faltar o peixe e, em épocas de preços altos, neste ano vamos de filé de tilápia no lugar do bacalhau. Ele, juntamente com batatas cozidas e azeitonas, será o prato principal. E para brindar um bom vinho tinto e, só para lembrar, tudo dividido entre os presentes — comentou a dona de casa Fabiana de Oliveira.

Mas se os preços ainda não cabem dentro do bolso, a variedade de enlatados fica como boa opção. 

— Nos últimos anos, vimos que esses itens têm suas vendas aumentadas em média de 5 a 10%. Por exemplo, hoje a lata do atum tem preços a partir de R$ 6,49, conforme a marca e o tipo. Mesma condição da sardinha, que sai a R$ 5,29. E ainda temos os patês, molhos diferenciados e uma série de mix de produtos que compõem muito bem um cardápio de uma Sexta-Feira Santa. Isso sem falar no almoço do domingo, quando se comemora a Páscoa, assim, esperamos aumentar nossas vendas em torno de 15%. E em relação ao aumento dos preços, eles estão dentro de um patamar médio previsto para a época do ano — avaliou o gerente, Walter Wagner.

 

Cardápio

Outro segmento que fatura é o de prestação de serviços, principalmente os restaurantes, que apostam nas mudanças de cardápio, incluindo os pescados, principalmente na quarta e sexta-feira.

— Depois de dois anos de pandemia, em que não pudemos comemorar de forma presente as tradições da Semana Santa e principalmente do domingo de Páscoa, neste ano creio que vamos poder nos reunir com mais tranquilidade devido ao avanço da vacina. Aqui no restaurante, incrementamos nossa tradicional bacalhoada, que se faz presente em nosso cardápio durante todo o ano, e preparamos também alguns pratos com outros pescados, como o filé de tilápia e o atum — disse o empresário Rolando Meneses. 

Comentários
×