Secretário de Saúde sobre a pandemia: "Viramos a página"

Coletiva abordou ameaça da dengue, novo Minas Consciente e melhora do cenário da pandemia

Matheus Augusto

Com o fim do pico da variante ômicron em Minas Gerais, o estado está pronto para "virar a página" da pandemia, nas palavras do próprio secretário de Estado de Saúde (SES-MG), Fábio Baccheretti. Em coletiva nesta sexta-feira, 25, o chefe da pasta citou a "progressiva queda” dos índices de casos confirmados, internações e mortes pela doença. 

Baccheretti citou uma mudança significativa no atendimento à doença a partir da próxima semana.

— Temos agora uma nova fase: a partir de 1° de março não haverá mais leitos exclusivos de covid-19 no Brasil — citou. 

Com isso, os 590 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) exclusivas para covid-19 passam a receber pacientes de todas as enfermidades. O objetivo agora, com investimento de mais de R$ 200 milhões e 26% a mais de leitos de UTI, é agilizar a fila de cirurgias eletivas.  

— A gente vira a página de um atendimento exclusivo para covid para um atendimento de todas as doenças, onde a covid também faz parte. (...) Vamos poder conviver com a covid como uma doença que continua afetando a população, mas de forma menos grave. (...) E vamos conseguir tirar o atraso das cirurgias eletivas com um sistema mais robusto — afirmou.

Mesmo com a página virada, os cuidados preventivos não devem ser descartados.

— Estamos bem, com o número de casos caindo e a proporção de óbitos bem menor, mas precisamos manter os cuidados da vacinação. Novas cepas e novos momentos de aumento virão — justificou.

Vacinação

O secretário reforçou, ainda, que não há registros de mortes relacionadas à vacina no estado, que segue com doses sobrando.

— O problema não é a vacina, é a doença. A vacina é segura — reforçou.

O público mais vulnerável segue sendo os idosos com comorbidades, por isso a importância do grupo tomar a dose de reforço: 71% dos óbitos são em pessoas com 60 anos ou mais com doenças crônicas.

Atualmente, apenas 40% do público-alvo recebeu a 3ª dose.

Minas Consciente

Após seis meses com o estado todo na onda verde do Minas Consciente, o governo decidiu abandonar o programa, conforme anunciado anteriormente. Com o fim da exclusividade do leitos, o formato perde a eficácia, apontou o secretário. 

Com isso, o secretaria passará a observar indicadores como incidência, variação da média móvel, pacientes à espera de leitos e a proporção de leitos ocupados em UTIs. A aplicação de restrição, a partir do novo modelo (ainda não divulgado de forma oficial), será manual e não mais automática. 

— Vamos agir pontualmente — explicou.

Alerta

Ao fim da coletiva, Baccheretti anunciou a preocupação da Saúde para 2022: a dengue. A cada três anos, a SES-MG espera o aumento de casos da doença e, por isso, alertou para a importância do combate à água parada.

— Para que a gente não saia de uma pandemia e entre numa epidemia de dengue, que acontece a cada três anos — encerrou.

Comentários
×