São João de Deus realiza cirurgia em paciente com órgãos invertidos

Condição rara atinge 0,01% da população mundial

Bruno Bueno

Os médicos e enfermeiros do Complexo São João de Deus (CSSJD) foram surpreendidos com um paciente. Segundo informações da assessoria do hospital, uma mulher com órgãos invertidos deu entrada na unidade e foi atendida pelos profissionais no final do ano passado.

Anatomia

A anatomia humana afirma que o coração está ao lado esquerdo do peito, assim como o estômago e o baço. Já o fígado, por sua vez, está localizado no lado direto. No entanto, uma rara parte da população mundial, cerca de 0,01%, sofre de "Situs Inversus Totalis", uma condição que permite o nascimento dos órgãos internos no tórax e abdômen em posições invertidas.

Atendimento

A paciente deu entrada no hospital com trombose cavo-ilíaca femoral à direita. Segundo o Cirurgião Vascular e Endovascular, Dr. Gustavo Laranjo, o desenvolvimento do coágulo foi causado pelo fato da paciente ser portadora da condição.

— Ela apresentava uma compressão na perna direita que causava inchaço, dor e redução da mobilidade. Em primeiro momento identificamos que a paciente apresentava trombose nessa perna, no setor cavo-ilíaco, causado por esta compressão crônica da veia ilíaca comum direita, com isso constatamos ser a Síndrome de Cocket, uma vez que no “Situs Inversus” os órgãos que deveriam estar à esquerda, estão à direita, comprometendo a circulação. Então, realizamos a colocação de um stent — detalha.

Após um ano do primeiro atendimento, a paciente retornou ao CSSJD com um novo bloqueio, apresentando trombose parcial do stent. Para reestabelecer a circulação, o Dr. Gustavo, acompanhado do também Cirurgião Vascular, Dr. Robert Amorim, elaboraram uma nova estratégia e submeteram a paciente a um procedimento cirúrgico.

— Realizamos o cruzamento da oclusão venosa seguido então do estudo pela Ultrassonografia Intravascular (Ivus) primeira vez utilizado em Divinópolis, essencial para identificarmos as intercorrências e assim, realizar a angioplastia do segmento venoso cavo-ilíaco com balão de alta pressão. Seguido de posicionamento de stent venoso Sinus Venous — explica.

Acompanhamento

Após o procedimento inédito em Divinópolis, os profissionais realizaram um novo estudo que comprovou o sucesso da cirurgia e controle do tratamento.

— Agora, a paciente segue para o acompanhamento ambulatorial — informou o CSSJD.

 

Comentários
×