Reeleito, Domingos Sávio promete união com deputados estaduais

Parlamentar também tenta reverter derrota de Bolsonaro em Minas Gerais no segundo turno

 

Matheus Augusto

Domingos Sávio (PL) continuará como o político divinopolitano com a trajetória mais longeva em atividade. Ele segue por mais quatro anos no Congresso Nacional, cadeira que ocupa desde 2011. Neste domingo, o recém-filiado ao PL, após extensa história com o PSDB, recebeu 90.236 votos. Desde 1992, Domingos nunca ficou sem um cargo público, tendo sido vereador, prefeito, deputado estadual em duas oportunidades e, agora, caminha para seu quarto mandato consecutivo como federal.

Em entrevista ao Agora após ser eleito, Domingos agradeceu aos eleitores pelo voto, especialmente por seu crescimento. Em 2018, ele recebeu 80.990 votos, sendo apenas 3.973 em Divinópolis. Neste ano, 16.272 votos na cidade e 90.236 ao todo. 

Domingos declarou que, mesmo se não fosse reeleito, estava tranquilo com o resultado. 

— O que pude fazer, tanto no mandato quanto na campanha, eu fiz da melhor maneira possível, com sentimento de dever cumprido e alma leve — comentou.

Sua continuidade no cargo por mais quatro anos é a “renovação do compromisso”, definiu. 

Mais parceiros

No atual cenário, Domingos Sávio conta apenas com mais um representante de Divinópolis na hora de articular benefícios para a cidade, o deputado estadual Cleitinho Azevedo (PSC). A partir do próximo ano, o time cresce. Além da eleição de Cleitinho para o Senado, Eduardo Azevedo (PSC) e Lohanna França (PV) passam a ocupar uma cadeira na Assembleia Legislativa de Minas (ALMG). 

É muito bom para Divinópolis ter dois deputados estaduais — avalia.

Com isso, já se colocou à disposição de ambos para fortalecer as defesas de demandas do município. Ele também demonstrou satisfação com a reeleição do atual governador Romeu Zema (Novo) e da ascensão de Cleitinho. 

Campanha

Domingos classifica sua campanha como ética e respeitosa aos demais concorrentes, mas não vê a reciprocidade nos valores.

— Infelizmente, tem algumas pessoas que se candidatam a deputado federal em Divinópolis para falar mal dos outros e, às vezes, para tentar projetar o nome e disputar a eleição de Prefeitura. Falam mal da gente sem apresentar serviço e sem trabalhar nas outras cidades da região e depois reclamam que não foi eleito deputado federal — pondera. 

Com três mandatos de experiência, sua análise é de ser necessário construir o caminho ao Congresso, através de uma atuação regional. Antes de chegar à Câmara Federal, Sávio foi vereador, prefeito e deputado estadual em dois mandatos consecutivos. 

— Você não vai se eleger deputado ou deputada federal só com os votos de Divinópolis. E, principalmente, ao invés de ficar falando mal dos outros, se preocupar em apresentar de fato o que você pode fazer de bom pra cidade e região — declarou. 

Ele também lamentou que a cidade não tenha mais representantes ao seu lado no parlamento.

— A gente fica triste que não tenha eleito mais, mas não vamos culpar Divinópolis. (...) Tem algumas pessoas que acham que, vindo para as ruas de Divinópolis, falar mal dos outros concorrentes, dizer que os outros são dinossauros, estão ultrapassados, não servem, o eleitor não é bobo. Esse tipo de pessoa sabe que não terá chance nenhuma, mas fica querendo preparar uma campanha futura — criticou. 

Desafios

Em seu quarto mandato, o deputado federal já projeta grandes desafios.

— Houve um reconhecimento do nosso trabalho e isso nos motiva a trabalhar muito mais e nos dedicar ainda mais, pois sabemos que temos grandes desafios pela frente — prevê.

Um dos desafios do deputado é defender a reeleição do presidente Jair Bolsonaro e reverter a derrota do presidenciável no estado, o segundo maior colégio eleitoral do país, onde foi superado por Lula (PT). Domingos reconhece ter apoiadores que não votaram no atual presidente, porém se mantém firme em suas convicções.

— Minha posição eu não escondi hora nenhuma. Pelo contrário, trouxe o presidente Bolsonaro aqui e, agora, não vou descansar nenhum dia. Tenho convicção que é o melhor para o Brasil. Não é para mim, é para os que mais precisam que, por incrível que pareça, são os mais iludidos — reflete.

Ele diz compartilhar dos valores do presidente, como direito à propriedade privada, valorização de empreendedores e preceitos religiosos.

— Às vezes, [o Bolsonaro] é até um pouco duro, pouco habilidoso com as palavras, mas é um homem correto — frisa.

Para o único representante divinopolitano em Brasília na atual legislatura, a volta do Partido dos Trabalhadores ao Executivo nacional seria retroceder. 

— Eu sei o que é outro lado. As pessoas se iludem e estão sendo iludidas. a gente não pode retroceder para um ambiente de corrupção generalizada. (...) Eu estava lá como deputado federal, a gente acompanhou, aquela roubalheira existiu mesmo, foram bilhões de reais devolvidos por empreiteiras — citou.

Com a reeleição de Bolsonaro, ele vê necessários apresentar novas reformas. 

— Estou ciente de que, agora, seja com Bolsonaro presidente, temos que aprofundar em reformas para fazer esse país caminhar mais rapidamente para o desenvolvimento para acabar com o desemprego e gerar melhor qualidade de vida — destaca.

No entanto, ele não descarta a eleição do petista.

— E, se for com o Lula, eu tenho que estar atento para que eles não façam a loucura de acabar com o direito de propriedade, de vir com toda aquela parafernalha trabalhista de novo — defende.

Apesar da confiança na vitória do atual presidente, diz que sua prioridade é assegurar benefícios para Divinópolis e demais municípios mineiros. 

— Agora, indiferente de qualquer que seja o resultado do segundo turno, estou eleito para trabalhar muito e retribuir quem confiou em muito, trazendo recursos. (...) — garante.

Derrotados

Apesar de ser o único eleito, Domingos não era o único candidato. Divinópolis contou, nestas eleições, com outros quatro candidatos ao Congresso. Gleide Andrade (PT) recebeu 49.620 votos, enquanto Fabiano Tolentino (PSC) foi o terceiro mais votado da lista, com 35.210. Para ambos, os números foram insuficientes para lhes assegurar uma cadeira. Laiz Soares (Solidariedade) e Paulo César PC (Cidadania) contabilizaram, respectivamente, 18.749 e 327 votos cada.

Vitoriosos

O partido de Domingos foi o mais vitorioso neste domingo. O PL elegeu a maior bancada de deputados federais de Minas Gerais ao assegurar 11 das 53 cadeiras. O segundo mais bem sucedido foi o PT, com 10, seguido pelo Avante (5). 

Do total, 15 vagas serão ocupadas por novos parlamentares. Um dos novatos é o vereador de Belo Horizonte, Nikolas Ferreira (PL), que se tornou o deputado federal mais votado da história do estado com 1.492.047 votos. O segundo colocado, André Janones (Avante), recebeu 238.967. Além deles, Minas será representada em Brasília por: 

  • Duda Salabert (PDT) 
  • Reginaldo Lopes (PT)
  • Rogério Correia (PT)
  • Diego Andrade (PSD)
  • Fred Costa (Patriota)
  • Zé Vitor (PL)
  • Misael Varella (PSD)
  • Rafael Simões (União)
  • Pinheirinho (PP)
  • Paulo Guedes (PT)
  • Odair Cunha (PT)
  • Weliton Prado (Pros)
  • Gilberto Abramo (Republicanos)
  • Hercilio Coelho Diniz (MDB)
  • Rodrigo de Castro (União)
  • Emidinho Madeira (PL)
  • Greyce Elias (Avante)
  • Luis Tibé (Avante
  • Paulo Abi-Ackel (PSDB)
  • Newton Cardoso Jr (MDB)
  • Célia Xakriabá (Psol)
  • Bruno Farias (Avante)
  • Stefano Aguiar (PSD)
  • Dimas Fabiano (PP)
  • Domingos Sávio (PL)
  • Pedro Aihara (Patriota)
  • Patrus Ananias (PT)
  • Zé Silva (Solidariedade)
  • Dandara (PT)
  • Padre João (PT) 
  • Aécio Neves (PSDB)
  • Dr. Frederico (Patriota)
  • Miguel Ângelo (PT)
  • Maurício do Vôlei (PL)
  • Delegado Marcelo Freitas (União)
  • Leonardo Monteiro (PT)
  • Ana Paula Junqueira Leão (PP)
  • Eros Biondini (PL)
  • Igor Timo (Pode)
  • Anal Pimentel (PT)
  • Dr. Mário Heringer (PDT)
  • Lafayette Andrada (Republicanos)
  • Luiz Fernando (PSD)
  • Nely Aquino (Pode)
  • Samuel Viana (PL)
  • Junio Amaral (PL)
  • Delegada Ione Barbosa (Avante)
  • Lincoln Portela (PL)
  • Rosângela Reis (PL)
  • Marcelo Álvaro Antônio (PL)
Comentários
×