Queda da arroba do boi não chegou ainda ao consumidor

China suspendeu as importações de carne bovina brasileira depois de casos da vaca louca

 

Da Redação

Depois de dois casos atípicos de vaca louca terem sido notificados em Minas Gerais e Mato Grosso, a China,  maior comprador de carne bovina do Brasil, suspendeu as importações sem expectativas de retorno em curto prazo. Assim, grande parte da carne que seria exportada está sendo guardada em câmaras frias à espera de um destino. O bloqueio, iniciado em 4 de setembro, fez com que o preço da arroba do boi gordo caísse.  Na terceira semana de outubro, o valor médio foi de R$ 258,65, queda de 13% no mês. Antes, chegou a bater nos R$ 336,00. 

 

Consumidor

Agora, para o consumidor, a esperança é que a queda venha refletir nos supermercados e açougues, pois os preços, conforme consumidores, ainda continuam nas alturas. 

— Deve ter uma diminuição, mas pouco significativa, pois, apesar da queda da arroba, os insumos continuam com seus preços altos. Esses preços elevados se devem às condições climáticas adversas, como as geadas, que atrapalharam as colheitas principalmente da soja e do milho, essenciais na alimentação do gado. Estamos na entressafra, com o gado saindo do confinamento e bons pastos mesmo, com a chegada das primeiras chuvas, só daqui a 90 dias — analisou o empresário do ramo de açougues, Kilderson Neylon de Oliveira.

O gerente de uma rede de supermercados, Robson Souza, diz que os preços devem dar uma estabilidade, com projeção de pequenas reduções nos custos. 

— Parte da carne que seria exportada já entrou no mercado interno e derrubou o preço da arroba. Mas, até que este deságio chegue ao consumidor final, demora um pouco. Em nossa rede temos diversos fornecedores e já estamos negociando preços — disse.

 

Preços

Em um açougue tradicional na cidade, ontem, o quilo do charneiro, músculo e acém eram comercializados a R$ 24,99; a costelinha, R$ 19; e carne de primeira, R$ 29,99. Já em um supermercado, o músculo era comercializado a R$ 27,90; a chã de dentro a R$ 36,90; e o contrafilé a R$ 42,90. O lagarto custava R$ 34,90 e o acém e a maçã de peito, R$ 23,98.

 

Opções

Neste cenário de preços nas alturas, as alternativas para muitos consumidores são as carnes brancas, como o frango e, às vezes, o peixe. 

— Estou levando frango, mas, mesmo assim, faço minha pesquisa e procuro comprar só nas promoções. O peixe também tem boa aceitação na família — contou a comerciária Reysla Gomes. 

Comentários
×