Quase 250 pessoas estão em situação de rua em Divinópolis

Rua São Paulo é um dos lugares onde a condição é mais visível; cidade conta com algumas casas de acolhimento a esses indivíduos

 

Da Redação

Com a pandemia e diversas outras questões sociais que afetaram a população nos últimos anos, o aumento de pessoas morando nas ruas de Divinópolis é visível. Entre as vias da cidade, é evidente que a situação na rua São Paulo, no Centro, chegou a um nível alarmante, com diversas pessoas morando no local. 

Segundo a Prefeitura de Divinópolis, por meio da assessoria de comunicação, no ano de 2020 foram identificadas 200 pessoas em condição de rua. Porém, como é uma população flutuante, o número sofre alterações com bastante frequência.

Atualmente, de acordo com dados da Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social (Cebas) 2.0,  do Ministério da Cidadania, 245 pessoas que estão inscritas no Cadúnico em Divinópolis se declararam em situação de rua. Ainda segundo a assessoria da Prefeitura, desse total, 163 recebem o auxílio Brasil. 

Pensando nesse dado, incluindo aqueles que não possuem o CadÚnico, o número de moradores de rua na cidade pode ser ainda maior.

 

Ações

Desde o mês de janeiro, algumas ações têm sido intensificadas na via, com o intuito de ajudar essas pessoas, além de manter a integridade do local, visto que o acúmulo de materiais como lixos e restos de comida gera desconforto aos moradores e lojistas.

Na última quarta, 17, a Secretaria Municipal de Operações e Serviços Urbanos (Semsur) trabalhou na retirada do acúmulo de materiais recicláveis do local, enquanto a equipe da Secretaria Municipal de Assistência Social de Divinópolis (Semas) orientava as pessoas sobre os serviços disponíveis na cidade para ajudá-los.

 

Auxílio

Existem alguns lugares na cidade que oferecem moradia, alimentação, banho e até mesmo acompanhamento psicológico para as pessoas em situação de rua.

A Secretaria Municipal de Assistência Social de Divinópolis (Semas) oferece dois serviços de moradia para essa população. A Casa de Acolhimento, com 20 vagas, permite que essas pessoas permaneçam no local por um período de 0 a 6 meses e a Casa de Passagem, também com 20 vagas, acolhe os interessados por até 3 meses.

O Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua, conhecido como Centro Pop, oferece atendimento psicossocial, oficinas, guarda de pertences, alimentação, banho e troca de vestimenta. O serviço funciona de segunda a sexta, no período da manhã.  

A secretária de Assistência Social, Juliana Coelho, ressalta a importância do Centro de Atendimento.

A população em situação de rua será assistida em sua complexidade desde a abordagem social na rua, atendimento, encaminhamento até seu acolhimento se assim o cidadão desejar destacou.

Além disso, o Centro Pop conta com uma unidade de isolamento para aqueles que possam estar com covid-19, para evitar a propagação do vírus entre os acolhidos.

O cidadão pode ser encaminhado para o Centro Pop pelo Centro de Referência de Assistência Social (Cras) ou o Centro Especializado em Assistência Social (Creas). 

 

A cidade conta, também, com o Serviço de Atendimento à População Migrante, reativado em 2021 e que funciona até os dias atuais. O projeto oferece passagens rodoviárias e ferroviárias, entre municípios e estados, àqueles em situação de vulnerabilidade e que residam há menos de dois meses no município. 

Por fim, a Casa de Passagem São Francisco tem capacidade para acolher 16 pessoas pelo revezamento. Administrada pela comunidade Sacramento de Amor, em parceria com a Prefeitura, o espaço também oferece serviços de psicólogos, estadia à noite, banho, roupas e refeição para aqueles que não estão institucionalizados no serviço.

A Casa São Francisco fica localizada na rua do Chumbo, 297, no bairro Niterói. O telefone para contato é (37) 3213-8390.

 

Comentários
×