Quaresma e Fraternidade

Raimundo Bechelaine

Quaresma e Fraternidade

Mais uma vez, não houve carnaval. Muitos, sobretudo os mais jovens, sentiram falta dele. Outros lamentaram apenas pelos feriados.

Porém Quaresma haverá. É o tempo em que os cristãos se preparam para  a celebração  da Páscoa, a libertação integral que Cristo oferece ao mundo. Começa com a quarta-feira de Cinzas. "Lembra-te, homem, que tu és pó e ao pó voltarás!" – assim clama a voz solene do ministro, ao derramar as cinzas sobre as cabeças dos penitentes.

No Brasil, enquanto transcorre o período quaresmal, a Igreja lembra aos cristãos e a todos os cidadãos que a caridade, ou seja, o amor ao próximo, especialmente para com os pobres, é o que mais agrada a Deus. Cada ano, a CF mostra um aspecto ou setor da sociedade brasileira, onde faltam a justiça social, a dignidade e os direitos humanos, a solidariedade, enfim, a fraternidade que deve ser a marca de um país que deseja ser cristão. 

Neste ano, a CF traz o tema "Fraternidade e Educação". O lema, sempre tirado da Bíblia Sagrada, desta vez foi encontrado no Livro dos Provérbios: "Fala com sabedoria, ensina com amor" (31, 26). São palavras do elogio feito pela Escritura à mulher virtuosa. A temática da educação já foi abordada duas vezes pela CF, em 1982 e em 98. Retorna, portanto, pela terceira vez, agora alinhada com o Pacto Educativo Global, lançado pelo papa, refletindo sobre os fundamentos das ações educativas conforme a perspectiva cristã católica. Francisco propõe uma educação humanizada, comprometida em "difundir um novo modelo relativo ao ser humano, à vida, à sociedade e à relação com a natureza", segundo a Encíclica Laudato Sí.

Na mensagem para a abertura da Campanha, o pontífice constata: "ao olhar para a sociedade hodierna, percebe-se de maneira muito clara a urgência em adotar ações transformadoras no âmbito educativo, a fim de que tenhamos uma educação promotora da fraternidade universal e do humanismo integral...". É interessante observar que o conceito de humanismo integral faz parte do pensamento dos filósofos católicos Jacques Maritain e Alceu Amoroso Lima, que tiveram grande influência no século vinte.

O cartaz é sempre um elemento importante da CF. Mostra-nos a cena evangélica em que Jesus salva da morte por apedrejamento a mulher acusada de adultério. À primeira vista, parece-nos que haveria outras cenas ou atitudes do Mestre mais adequadas ao tema. Todavia o autor da peça quis justamente fugir  do óbvio, fazer refletir.

É o que a CF/22 propõe a todos os brasileiros conscientes. Educar é muito mais do que instruir ou doutrinar. Uma educação integral, formadora para a vida, é o maior benefício, o maior ato de sabedoria e amor que se pode fazer a alguém. [email protected]

Comentários
×