Promete

Promete 

A semana, que começou fervendo com a movimentação política visando às eleições 2022, promete esquentar ainda mais. Para variar, vem de onde o quiproquó de agora? Da Câmara, é claro.  O vereador Flávio Marra (Patriota) apresentou denúncia contra o colega Diego Espino (PSC), por infração político-administrativa e quebra de decoro parlamentar. São diversas insinuações, entre elas: constrangimento ao assessor do vereador do próprio Marra, invasão a hospital e estúdio de TV, acusação de que todos os vereadores estão envolvidos em negociatas, com agressão verbal contra Israel Mendonça (PDT) e Lohanna França (PV). Não é de hoje que os dois não estão “se bicando” – desde uma discussão acalorada no plenarinho ano passado, quando quase foram às turras. E, pelo visto, vai ficar pior a partir de agora. Afinal, não é segredo que Espino não é de deixar barato. O que não pode de forma nenhuma é a protagonização de cenas lamentáveis que não condizem com uma conduta parlamentar de respeito. Já que se chegou a esse ponto, deixa as providências por conta, que seja na Câmara, ou fora dela. 

 

Comissão? 

Se tudo transcorrer como situações semelhantes protagonizadas no Legislativo, o próximo passo deve ser a formação de uma Comissão Processante, com três vereadores sorteados, para a apuração dos fatos presentes no documento. Ao fim do trâmite, o trio é convocado para uma sessão de julgamento. Caso dois terços dos membros da Casa considerem Espino culpado das acusações, ele pode ser cassado e perder o mandato. E isso já deve começar amanhã, com a leitura na reunião ordinária. A partir daí é que se dá início ao processo que promete ser demorado, visto que a denúncia cita seis ocasiões, desde o ano passado, em que o denunciado teria desrespeitado servidores e vereadores do Legislativo. Em ao menos duas oportunidades, conforme a alegação, por pouco não houve agressão física e até se falou em tiro. É por essa e por outras que esta legislatura vai entrar para história em ruindade. Disso não resta dúvida. 

 

Rivais 

Talvez essa palavra defina Marra e Espino na atual legislatura. Os dois apoiam o prefeito – com exceção de algumas situações que Flávio denuncia mesmo sendo de responsabilidade da Prefeitura, como o Crevisa –, são próximos a Eduardo Azevedo (PSC) irmão de Gleidson Azevedo, mesmo partido, aparecem em fotos e vídeos com os irmãos.... Acaba se tornando uma disputa particular. Mas, agora, essa contenda promete sair da redoma do Legislativo. Os dois anunciaram pré-candidatura a deputado federal e ambos esperam o apoio de, além de Eduardo e Gleidson, o nome mais forte da família Azevedo: o deputado estadual Cleitinho, que, por sinal, se filiou aos partidos dos irmãos, e o mesmo fez Espino. Enfim, um “angu de caroço danado”, que, para ficar no ponto de comer, ainda vai dar muito trabalho.

 

O que nos espera

E não é só por aqui que “o bicho está pegando” literalmente, e de forma assustadora. Um deputado aliado do presidente Jair Bolsonaro (PL) se envolveu em uma polêmica com o ex-presidente Lula (PT) nas redes sociais. O Cabo Junio Amaral (PL-MG) publicou um vídeo em que coloca munição em uma arma de fogo enquanto sugere ao ex-presidente para visitá-lo em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde vive com a família. O deputado afirmou que Lula “terá uma bela e calorosa recepção”. Depois que a coisa espalhou, disse em  sua defesa que o vídeo seria uma forma de responder a uma fala de Lula, que disse, em um evento da Central Única dos Trabalhadores (CUT), que “chegou a hora de ensinar a sociedade a cobrar os deputados”. Aterrorizante e o pior: parte de duas figuras públicas que representam muita gente. É isso mesmo que nos espera nestas eleições, que mal começaram e já se vive este clima de guerra? Muito preocupante. É bom a população começar a colocar “as barbas de molho”. 

 

Comentários
×