Primeiras vacinas contra covid-19 para crianças chegam na próxima semana

Doses contra Influenza estão previstas para março

 

Da Redação

As primeiras doses da vacina da Pfizer contra covid-19 para vacinação infantil devem chegar ao Brasil na próxima quinta-feira, 13. A informação é do Ministério da Saúde. O primeiro lote deve contar com 1,2 milhão de doses. Ao todo, 20 milhões de doses foram asseguradas. O envio está condicionado à confirmação pelo laboratório e pelo andamento do ritmo de vacinação. O investimento total será de R$ 2,6 bilhões.

— Não faltará vacina para nenhum pai que queira vacinar seus filhos — garantiu o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. 

O esquema vacinal será com duas doses, com intervalo de oito semanas entre as aplicações. 

 

Obrigações

Segundo o Ministério da Saúde, será preciso que a criança vá vacinar acompanhada dos pais ou responsáveis ou leve uma autorização por escrito. A obrigação de prescrição médica para aplicação da vacina não foi incluída como uma exigência. O órgão, no entanto, sugere que os pais procurem profissionais de saúde para maior tranquilidade sobre o processo.

 

Ordem

Conforme o planejamento, devem ser priorizadas crianças com 5 a 11 anos com deficiência permanente ou comorbidades, crianças indígenas e crianças que vivem em lar com pessoas com alto risco para evolução grave de covid-19. Posteriormente, o processo deve seguir com as crianças sem comorbidades, em ordem decrescente (11, 10, 9, 8, 7, 6 e 5 anos)

 

Vacina Influenza

O Ministério anunciou, ainda, que as vacinas para a nova cepa do vírus influenza, denominada H3N2, deverão chegar ao país em março. 

— Ainda não temos essas vacinas específicas. Elas só chegam no final do primeiro trimestre. A OMS [Organização Mundial da Saúde] indica a cepa, e a vacina tem que ser produzida — justificou Queiroga.

Segundo ele, a equipe do Ministério da Saúde está acompanhando os casos para avaliar o impacto. O mesmo vale para casos de "flurona", nome dado à infecção simultânea pelo novo coronavírus e pela cepa H3N2.

Em sua conta na rede social Twitter, o secretário executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, destacou a circulação da variante e confirmou que a pasta tem registrado casos de H3N2 em diversos estados.

— Por isso recomendamos que todos os cuidados relacionados à saúde sejam priorizados. O uso de máscaras e a higienização das mãos ainda são sumariamente importantes — completou.

 

Comentários
×