Presidente da Câmara não anulará CPI da Educação

Da Redação 

O presidente da Câmara de Divinópolis, Eduardo Print Júnior (PSDB) afirmou que não anulará a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura as supostas compras superfaturadas feitas pela Secretaria Municipal de Educação (SEMED). Durante uma coletiva de imprensa realizada ontem, 2, o prefeito, Gleidson Azevedo (PSC) e a vice-prefeita e secretária de governo, Janete Aparecida (PSC) disseram que iriam pedir a anulação do relatório final apresentado pela Comissão no dia 24 de agosto, sob a alegação de fraude em orçamento. 

Após as declarações do prefeito e da vice-prefeito, Print Júnior afirmou que não irá anular o relatório, caso o pedido do governo seja oficializado. Segundo o presidente da Câmara, a alternativa justa e correta é desclassificar o orçamento questionado pelo Município. 

– Eu não vou anular o relatório da CPI. O que eu posso fazer, é pedir o orçamento a outra empresa e desclassificar a Dimecol como orçamento da câmara - informou. 

Para o presidente da Câmara esta é apenas mais uma tentativa de manobra do Executivo. 

– Não vejo motivo para cancelar a CPI. Superfaturamento de R$ 1 ou de R$ 10 milhões, o crime é o mesmo. Se retirar este item do superfaturamento, ainda continuam R$ 7 milhões. Esta é apenas mais uma manobra depois de várias outras do governo - conclui. 

Nota

Em nota, a CPI da Educação reforçou que se ateve apenas às informações que foram "apresentadas por estas e por diversas outras empresas que também apresentaram orçamentos, não tendo sido a empresa que se justificou a única a apresentar orçamentos".


O Presidente da CPI da Educação, Vereador Josafá Anderson, destacou que “o montante ultrapassava R$8,5 milhões. Com essa correção de valor sobre um material que claramente foi erro de digitação, como assumido em documento, o superfaturamento ainda é superior a R$7 milhões. Não vão conseguir descredibilizar o trabalho da CPI no grito.”

Comentários
×