Prefeitura elabora projeto para Câmara autorizar empréstimo

Motivo é reconstrução da cidade; valor ainda não foi definido

 

Matheus Augusto

Seguindo os passos de seu antecessor, Galileu Machado (NDB), o prefeito Gleidson Azevedo (PSC) também enviará à Câmara projeto que visa à solicitação de empréstimo. A informação foi anunciada ontem pelo chefe do Executivo em entrevista à Rádio Minas. O prefeito e sua  vice e secretária de Governo, Janete Aparecida (PSC), se reuniram ontem pela manhã com secretários e autoridades para discutir uma série de assuntos, como o plano de reestruturação da cidade devido aos estragos causados pelas chuvas e a aplicação dos recursos da Vale. 

Ao Agora, a Prefeitura informou que o projeto está em fase de elaboração pela equipe técnica, com a definição de quais serão as prioridades de investimentos do empréstimo. Ainda não há data para apresentação da solicitação nem de qual será o valor requisitado. 

O prefeito adiantou, sem dar mais detalhes, que uma solicitação de empréstimo será enviada à Câmara e espera  contar com o apoio dos vereadores. 

— Agora, depois dessas chuvas, a cidade está destruída. Não se reconstrói em seis meses, vai levar tempo — justificou.

Gleidson se disse contrário à solicitação de dinheiro emprestado, mas, no momento, se vê sem outra opção para financiar as obras necessárias. 

— Não sou a favor disso. Bati muito nisso na minha campanha na questão de empréstimo, acho que até da forma como o Galileu [ex-prefeito] pegou o empréstimo foi totalmente eleitoreiro — afirmou. 

A prioridade, contou, será a reconstrução da cidade. 

— Agora não tem outro recurso senão um empréstimo para a gente fazer rede pluvial, reformar posto, Policlínica e, principalmente, as ruas de Divinópolis. (...)  tem rua que não adianta mais tapa-buraco, tem que ser o recapeamento. Eu não era a favor do empréstimo, mas agora para as ruas, como de corredores, vamos precisar desse empréstimo. — detalhou. 

Por fim, o chefe do Executivo disse que pedirá um valor “justo” e de pagamento a curto e médio prazo, para que os próximos prefeitos não precisem arcar com a responsabilidade. 

— Estamos abertos ao diálogo com a Câmara para a gente achar o equilíbrio e pegar esse empréstimo — encerrou.

 

Galileu

No último ano de seu governo, em janeiro de 2020, o então prefeito Galileu recebeu sinal positivo da Câmara para captar um empréstimo de R$ 40 milhões. Dez parlamentares votaram a favor e cinco contra. Entre os contrários ao empréstimo estavam o atual líder do Executivo na Câmara, vereador Edsom Sousa (Cidadania) e a vice-prefeita, Janete Aparecida (PSC).

Do valor total, apenas R$ 15 milhões foram empenhados. Para não deixar dívidas para seu sucessor, Machado revogou, no fim de sua gestão, o restante do valor. 

Galileu alegou, à época, a necessidade de recursos para implantar obras de infraestrutura na cidade, como pavimentação, recomposição asfáltica, calçamento, drenagem pluvial, recuperação e canalização de córregos, manutenção de estruturas em pontes e viadutos.

 

Comentários
×