Prefeitura admite irregularidades no Crevisa

Chuvas impedem reparos necessários, alega Executivo; queda do telhado é a principal preocupação

 

 

Bruno Bueno

O Centro de Referência em Vigilância Ambiental (Crevisa), instalado no início da década de 2000, é o órgão que realiza a castração animal e outras atividades em Divinópolis. O local, que fica na estrada que liga o município a Carmo do Cajuru, também é um dos principais abrigos para animais que oferecem riscos à sociedade. Apesar de ser um órgão importante para a população, o Crevisa, que faz parte da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), vive tempos difíceis na cidade. Denúncias do Sindicato dos Trabalhadores Municipais (Sintram) e de alguns vereadores, especialmente Lohanna França (CDN), evidenciaram as péssimas condições do espaço. Infiltrações, falta de manutenção e o risco iminente da queda do telhado preocupam as autoridades.

De acordo com a Prefeitura, que se pronunciou na tarde de ontem, o local realmente está com irregularidades. No entanto, o Executivo afirma que as fortes chuvas que castigam o município nos últimos dias impedem os reparos no espaço.

 

Telhado

Na nota, o Executivo admitiu os problemas do Crevisa. A pasta argumenta que a sede do órgão é uma construção antiga e que a manutenção do telhado não ocorre de “uma hora para  outra”.

— Cabe destacar que o Crevisa é uma construção que há anos não tem manutenção preventiva e a manutenção de um telhado não se faz de forma rápida, sendo impossível expor um trabalhador ao tempo para fazer o reparo necessário, uma vez que a chuva tem sido intermitente, não havendo intervalo de estiagem para que a equipe de manutenção faça o reparo necessário — afirmou.

 

Ainda de acordo com a assessoria, o Município tem, atualmente, uma grande demanda de reparos em vários espaços. 

— A Prefeitura lembra que a atual gestão assumiu o governo com uma enorme demanda predial, negligenciada há anos. Desde o início do mandato uma equipe foi constituída para gerenciamento da rede física e, com a assinatura do contrato com a Empresa Municipal de Obras Públicas (Emop), as obras terão maior alcance — relatou.

 

Reparos

O Executivo admitiu que priorizou os reparos de outros espaços de saúde do Município que também apresentavam irregularidades.

— A Semusa informa ainda que, em 2021, foram adquiridos materiais para ampliação dos canis e gatis e, como todos os outros equipamentos da Prefeitura, o Crevisa também passará por reformas e melhorias. Entretanto, em função de diversas demandas em várias unidades de saúde, entre elas Policlínica, Caps e algumas unidades básicas de saúde, fica difícil a realização de todas as demandas ao mesmo tempo — ressaltou.

 

Os reparos, segundo a Prefeitura, não são feitos imediatamente devido às chuvas que atingem a cidade. 

— No advento do aumento das chuvas e a intermitência desta, inviabiliza a operação de reparo. Apesar de tudo disposto, reafirmamos que estamos empenhados em solucionar o quanto antes todos os problemas apresentados, assim que tivermos oportunidade frente ao cenário climático atual — pontuou.

 

Sintram

Membros do Sindicato dos Trabalhadores Municipais (Sintram) compareceram ontem no espaço para realizar uma vistoria. De acordo com informações do sindicato, diversas irregularidades foram encontradas.

— O mofo tomou conta de todo o prédio e goteiras atingem todos os setores. Em alguns pontos, a água está minando do teto. Há ainda o telhado danificado e em risco de desabamento e os animais estão expostos à chuva. Após a vistoria houve a promessa de que os animais estarão mais bem acomodados — informou em nota.

 

Ainda conforme o Sintram, o setor de eutanásia do Crevisa está impossibilitado de receber animais. A pasta deve pedir a interdição do bloco.

— Problemas também foram encontrados na sala de castração, porém a situação mais grave está no bloco destinado à eutanásia de animais que não têm condições de serem tratados. Segundo a diretora do Sintram, Geise Silva, o Sindicato pedirá a interdição de todo o bloco — relatou.

 

Câmara

A vereadora Lohanna França (CDN), representante da Câmara Municipal, também relatou irregularidades no Crevisa. Conforme sua assessoria, a visita aconteceu na última sexta, após a parlamentar receber uma denúncia que o teto estava próximo de desabar.

— O telhado de toda a instituição está deteriorado e precisa ser reformado, por causa disso, as infiltrações tomaram conta do almoxarifado, que armazena pastas com registros importantes da Vigilância Sanitária do Município, uniformes de agente de Saúde, equipamentos eletrônicos e de uso nos procedimentos médicos dos animais, sendo protegidos por um pequeno pedaço de lona — disse a assessoria em nota.

 

Ainda segundo a equipe da vereadora, outros vários problemas foram encontrados no espaço que recebe os animais. 

 — Nas salas de cirurgias, instalações elétricas, mofos e goteiras tomam conta dos tetos, escorrendo nas paredes, chovendo nos equipamentos médico veterinários. (...) Em um cômodo externo foi encontrado um grande depósito de lixo, com lixeiras da Prefeitura, mesas, roupas e pneus, tornando o local um possível foco de dengue e animais peçonhentos — finalizou.

Comentários
×