Preço médio de hortigranjeiros recua, mas ainda exige atenção

Destaque da queda foi o setor de frutas, cujo valor médio foi 3,9% menor

 

Da Redação

O grupo dos hortigranjeiros ficou 0,8% mais barato em abril no comparativo com março, no atacado do entreposto de Contagem da CeasaMinas, o maior fornecedor de produtos para para regiões de Minas, como o Centro-Oeste. O destaque da queda de preços foi o setor de frutas, cujo valor médio foi 3,9% menor. As hortaliças ficaram, em média, 2,6% mais caras e os ovos apresentaram pequena redução de 1,2%. Apesar da diminuição no custo médio, os hortigranjeiros em geral ainda refletem os efeitos das condições climáticas adversas que prejudicaram a oferta desde janeiro e encareceram os produtos.

A boa notícia para o consumidor é que a primeira semana deste mês registrou redução média de preço de 9,2% no atacado, em relação a todo o mês de abril.

— Isso pode sinalizar a continuidade da redução de preços ao longo de junho, caso não ocorra nenhum evento climático muito desfavorável — explica o chefe da Seção de Informações de Mercado, Ricardo Fernandes Martins. Enquanto isso, a dica de Fernandes é pesquisar bem na hora de ir às compras.

 

Frutas

Entre as frutas que apresentaram redução de preços, os destaques foram mamão-formosa (-45,3%); melancia (-30,1%); abacate (-22%); banana-nanica (-17,1%) e limão-tahiti (-10,5%).     

— Quando um produto cai de preço não necessariamente ele fica barato. Esse é o caso, por exemplo, do mamão-formosa, que, apesar da forte oscilação negativa, ainda se encontra em uma situação apenas regular — ressalta Ricardo Fernandes.

Das frutas com aumento, os principais exemplos foram morango (8,3%); banana-prata (4,6%); goiaba (4,3%); laranja-pêra (2,5%) e manga (2,3%).

 

Hortaliças

Os produtos que mais influenciaram a alta média no setor de hortaliças foram quiabo (47,5%); chuchu (45,5%); batata (42,9%); couve-flor (6,3%) e cebola (5,1%).

Entre as quedas de preços, os destaques foram repolho (-29,1%); beterraba (-25,2%); pepino (-24,7%); abóbora-japonesa (-24,6%) e cenoura (- 21,9%).

— Sempre olho os preços aqui e no varejão do  meu bairro. Os preços de alguns itens estão melhores, mas outros continuam com valores elevados — disse a dona de casa Irani Rangel da Silva.  

 

Preços

A reportagem esteve em um supermercado e verificou os valores praticados ontem. Na seção de frutas, a laranja-pêra-rio era vendida a R$ 2,99, a melancia saía por R$ 1,99, mesmo preço do limão tahiti. A mexerica ponkan era comercializada a R$ 3,99, mesmo custo da manga tommy. Já a banana nanica saía por R$ 2,99, caqui a R$ 1,99 e a uva thompson a R$ 3,99.

No setor de verduras, a cenoura vermelha, que chegou a custar R$ 10,  tinha o quilo vendido a R$ 2,99. Outro item que teve queda significativa foi o pimentão verde, que também já custou R$ 10 – o quilo e era vendido a R$ 5,99. Já o repolho e o cará saíam por R$ 2,99, a batata inglesa, R$ 4,99,  a cebola branca por R$ 5,99, beterraba a R$ 1,99 e a batata doce, R$ 2,49.

— A tendência de queda deve seguir nos próximos meses, se não houver geadas e as condições do clima se fizerem normais durante o inverno. O que pode ter alguma alteração, mas poucas, são as verduras de folhas, mas a tendência é manter os preços atuais — explica o gerente da loja, Robson Alves.

Comentários
×