Preço do café continua em alta

Possível quebra da safra de 2022 pode afetar o mercado

Jorge Guimarães 

Depois de o consumidor lidar com vários aumentos de preços em vários itens de alimentação básica, no início da pandemia, os valores começam  a voltar a seu patamar de mercado, mesmo que não retomando o praticado no pré-pandemia. Mas, no caso do café, os preços ainda não voltaram ao que seria o valor de mercado, e sim subiram mais.

É a consequência dos efeitos das geadas e a irregularidade das chuvas que afetaram a produção no campo e, assim, tendem a pressionar os valores até as gôndolas dos supermercados. E, nos bastidores, as consequências ainda estão sendo avaliadas, mas a quebra da safra de 2022 é uma realidade, o que significa que o preço do grão não deve baixar pelos próximos meses.

— A alta no preço vem de uma consequência climática e do aumento dos custos de produção. Agora, a preocupação do mercado é com a possibilidade real de quebra da safra de 2022 que afetará diretamente o preço futuro do grão — avaliou o economista Leandro Maia.

Preços

A reportagem esteve em um supermercado ontem e constatou que o café tradicional, pacote de 500 gramas, era comercializado entre os preços de R$ 9,98 e R$ 16,99, dependendo da marca. Já os tipos mais elaborados de pó, denominados “café gourmet”, tinham preços entre R$ 18,90 e R$ 32,90, também com pacotes de 500 gramas.  

— Pesquisar ainda é a melhor arma que temos. Mas nem todo preço baixo significa economia. Temos que tomar cuidado com marcas desconhecidas, mais baratas, pois, se o pó não rende, ele acaba rápido e você tem que comprar novamente — disse a dona de casa Kleydiane Martins. 

Já o comerciante Kelmert Bueno, de tradicional ponto de quitandas em bairro nobre da cidade, disse que há meses teve que reajustar o preço do cafezinho. 

— Meu cafezinho custava R$ 1, há mais de um ano, sempre que possível, poupei minha clientela de aumentos nos produtos. Mas chegou uma hora que não dava mais e optamos por aumentar o preço para R$ 1,20, e assim mesmo, estamos trabalhando no limite, pois o preço do café só vem subindo e prezamos pela qualidade de nosso produto em consideração aos nossos clientes — avaliou o empresário. 

Mercado

Com a pequena oferta dos grãos, o preço futuro do café ainda é uma incógnita e preocupa o mercado.

— Temos que ver que os grãos têm cotação em dólar nas bolsas mundiais. Assim, o cafézinho nosso de cada dia deve ficar com sabor salgado em 2022 — disse o gerente de lojas de supermercados, Robson Alves. 

 

Comentários
×