Policiais penais são suspeitos de três mortes no mesmo dia

Um deles matou o irmão em Divinópolis e o outro invadiu o presídio de Manhuaçu e executou dois detentos em uma cela

 

Da Redação

O feriado de 7 de setembro foi marcado por crimes chocantes envolvendo dois policiais penais de Minas Gerais. Em Divinópolis, um dos agentes matou o irmão a tiros no bairro Catalão e, em Manhuaçu, o policial invadiu o presídio e assassinou dois detentos dentro de uma cela.

 Divinópolis

O homicídio em Divinópolis foi motivado por uma discussão entre os irmãos dentro de casa. Segundo a Polícia Militar (PM), a vítima, de 35 anos, tinha diversas passagens policiais, incluindo homicídio. O irmão dele, de folga no momento do crime, disse que agiu em legítima defesa e, por isso, disparou contra a vítima, que morreu ainda no local. O policial penal foi ouvido nesta quinta-feira, 8, e liberado. Um inquérito foi aberto para apurar o fato.

 Ainda segundo a Polícia Militar, o policial penal é lotado no município de Pará de Minas. A vítima usava tornozeleira eletrônica e era monitorada pelo sistema prisional.

Após ser ferido, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi chamado e, segundo a equipe, a vítima estava em parada cardiorrespiratória e não resistiu. Foram encontradas marcas de tiros no corpo da vítima. A quantidade não foi informada.

De acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o Departamento Penitenciário aguarda a conclusão do inquérito policial para tomar as providências administrativas necessárias.

 Manhuaçu

Em Manhuaçu, outro policial penal é suspeito de atirar e matar dois detentos, de 26 e 36 anos, no presídio do município, que fica na Zona da Mata Mineira. Outros dois presos, de 18 e 24 anos, foram atingidos pelos disparos e ficaram feridos. O policial alegou que um dos homens mortos teria estuprado a mulher dele.

De acordo com a PM, a mulher acionou a Polícia Militar durante a madrugada para denunciar o estupro. Ela disse que foi abordada por um homem desconhecido e abusada sexualmente. O suspeito de 36 anos fugiu, mas foi preso em seguida. Ele foi levado para o presídio de Manhuaçu, onde foi assassinado pelo policial penal.

Segundo o boletim, o policial fechou o portão da ala onde estava o detento, efetuou os disparos e, depois, foi até a portaria da unidade e contou sobre o que havia feito. A Polícia Militar foi acionada e o agente, preso.

Os corpos dos detentos foram encaminhados ao posto Médico-Legal do município. Os outros dois homens atingidos por disparos de arma de fogo foram hospitalizados.

Em nota, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) lamentou o ocorrido e disse que vai abrir um procedimento investigativo interno sobre o caso.

Comentários
×