Plano para desafogar a UPA começa amanhã

Pessoas com síndromes respiratórias devem procurar a Policlínica; Divinópolis tem queda nos indicativos de covid

 

 

Bruno Bueno

Sete horas para ser atendido. Essa é a realidade atual da UPA Padre Roberto, que enfrenta superlotação de leitos e grande aumento no número de atendimentos. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), a procura pela unidade de saúde cresceu 21% nos últimos dias. Os casos de síndromes respiratórias, que crescem nesta época do ano, são os principais responsáveis.

Para amenizar a situação, a Prefeitura inicia amanhã um plano emergencial que busca desafogar a UPA. Destinar parte dos atendimentos para a Policlínica é a principal medida feita pelo Executivo.

 

Suporte

De acordo com a Prefeitura, o atendimento na Policlínica será feito nos próximos 90 dias, das 7h às 19h. Somente as pessoas classificadas como “verdes” ou “azuis”, que não necessitam de atendimento urgente, devem procurar o  local. 

Os pacientes poderão ir direto à Policlínica, a partir da abertura desse serviço e, caso sejam classificadas como “amarelo” ou "laranja", serão encaminhadas para a UPA — explica a Semusa em nota.

A classificação em “amarelo” ou “laranja” significa atendimento urgente.  

 

Unidades 

Ainda segundo a Semusa, as unidades que atendem o programa “Saúde na Hora” também estão disponíveis para atender pessoas com síndromes respiratórias, incluindo influenza e covid-19. São elas: Belvedere, Planalto, Sagrada Família, Tietê e Ermida. Elas funcionam das 18h às 21h30. 

 De acordo com a vice-prefeita, Janete Aparecida (PSC), a Prefeitura  comprou 10 leitos do Complexo de Saúde São João de Deus (CSSJD) com recursos devolvidos pela Câmara Municipal.

— O objetivo é desafogar a UPA enquanto aguardamos uma solução definitiva do Estado em relação ao aumento de leitos que virá com a retomada das obras do Hospital Regional. Com isso, estamos tentando melhorar o atendimento à população de Divinópolis — destaca.

 

Números

Dados divulgados ontem pela Semusa mostram queda dos indicativos de covid-19 na cidade. 90 novos casos foram confirmados nos últimos quatro dias. A média de 22 registros por dia é menor do que a do mesmo período da semana passada.

3.072 notificações foram expedidas no período. O número de casos descartados se manteve o mesmo: 5.416; assim como o de óbitos: 710. Já são 37.368 casos confirmados pela doença no município, sendo 16.643 em homens e 20.725 em mulheres. A Semusa contabilizou 208 novos casos nos últimos sete dias. 

 

Ocupação de leitos

Também há mudanças na ocupação de leitos. O número de internados por covid-19 passou de 22 para 25 nos últimos quatro dias. Agora são 16 no setor de enfermaria e nove no setor de CTI. 

A ocupação dos leitos de enfermaria registra 21,92%. O setor de CTI, por sua vez, tem 19,57% de ocupação. A título comparativo, os registros contabilizavam 16,90% de ocupação na enfermaria e 24,39% na UTI há quatro dias.

 

Mutirão

A Semusa realizou no último sábado um mutirão de vacinação contra covid, influenza, sarampo e outras doenças. De acordo com a Secretaria, mais de três mil pessoas foram imunizadas em todas as unidades que promoveram a campanha na cidade.

Das 3.040 vacinações, cerca de 74% (2.256) foram aplicadas contra o coronavírus. 23% (710) do total de aplicações foi destinado a vacinas contra influenza. 74 vacinas contra sarampo foram aplicadas, o que corresponde a 2% da cobertura total.

A Prefeitura disse à reportagem que o resultado do mutirão foi “bem satisfário”.

Comentários
×