Pequenos negócios sentem impactos da alta inflação

Quase metade dos pequenos negócios mineiros foi “muito impactada” pelo aumento dos custos de produção

 

Da Redação

Os microempreendedores individuais (MEI) foram os que mais sentiram os efeitos da alta dos preços dos insumos (49% dos entrevistados), seguidos pelas empresas de pequeno porte (47%) e pelas microempresas (44%). Já entre os setores produtivos, a Indústria foi a mais abalada: 55% dos pequenos negócios.

Os dados são de uma pesquisa exclusiva realizada pelo Sebrae Minas, que ouviu 746 empresários e gestores de pequenos negócios entre os dias 3 e 14 de junho. 

— Por terem estruturas mais enxutas e capacidade limitada de investimento, os pequenos negócios têm sido muito impactados pelo aumento dos custos de recursos e gastos essenciais, como energia, frete e combustíveis — enfatiza a analista do Sebrae Minas Paola La Guardia.

Reajuste

Em consequência desses aumentos, 55% dos pequenos negócios tiveram que reajustar os preços dos produtos e serviços. Apesar de serem muito impactados, os MEI foram os que mais seguraram os repasses: 41% dos entrevistados.

Os pequenos negócios do Comércio lideraram o repasse dos aumentos (69% das empresas). O setor de Serviços foi o que mais conseguiu manter os preços praticados (52%). Já a Construção Civil teve o maior percentual de empresas que diminuíram os preços nos últimos meses: 12%.

Alternativas

Para contornar os efeitos negativos da alta dos preços dos insumos, os pequenos negócios adotaram diferentes medidas. As que tiveram o maior número de adeptos foram: redução do estoque (37%), inovação e otimização dos processos (30%) e diminuição do mix de produtos/serviços (27%).

Outras ações recorrentes entre os pequenos negócios mineiros para tentar reduzir os impactos da alta dos preços dos insumos foram: economia de água e energia (25%), substituição de matérias-primas (22%) e economia no aluguel (16%).

O Comércio liderou a iniciativa de redução de estoque (52%); Serviços se destacou na inovação e otimização dos processos (32%) e a Indústria foi o setor que mais substituiu matérias-primas por similares de menor valor (35%).

Preços na indústria 

sobem 1% em junho

O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que mede a variação de preços na saída das fábricas, registrou inflação de 1% em junho. O percentual é menor que os observados em maio deste ano (1,81%) e em junho de 2021 (1,29%).

Segundo dados divulgados ontem, no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPP acumula inflação de 18,78% em 12 meses. No primeiro semestre, o acumulado é de 10,12%.

Quinze das 16 atividades industriais pesquisadas pelo IBGE tiveram alta de preços em junho, com destaque para refino de petróleo e biocombustíveis (4,05%).

— O setor de refino foi impactado principalmente pelas variações observadas em produtos derivados do petróleo, em especial pelas altas do óleo diesel e da gasolina — disse Murilo Alvim, analista do IBGE.

Preços de alimentos

Outra atividade com alta importante de preços foi a indústria de alimentos (1,99%). 

— O setor de alimentos teve seu resultado influenciado, em grande parte, pelos maiores preços do leite e dos seus derivados. O grupo de laticínios apresentou aumento de 14,91% no mês. Essa variação é justificada pelo período de entressafra do leite, junto a uma oferta já escassa por conta de questões climáticas e dos maiores custos de produção — explicou.

Paralelamente, entre as nove atividades com deflação (queda de preços), destacam-se indústrias extrativas (-2,89%) e metalurgia (-1,50%).

Entre as quatro grandes categorias econômicas da indústria, as maiores altas de preços em junho foram observadas nos bens intermediários, isto é, os insumos industrializados usados no setor produtivo (1,04%), e nos bens de consumo semi e não duráveis (1,01%).

Os bens de capital, ou seja, as máquinas e equipamentos utilizados no setor produtivo, tiveram inflação de 0,98%, enquanto os bens de consumo duráveis apresentaram a menor alta de preços: 0,48%.

Índice de Confiança 

do Comércio recua

O Índice de Confiança do Comércio (Icom), da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 2,2 pontos em julho, na comparação com junho, e chegou a 95,1 pontos, em uma escala de 0 a 200. A queda veio depois de duas altas consecutivas.Empresários de quatro dos seis segmentos do comércio pesquisados pela FGV tiveram queda na confiança.

O Índice da Situação Atual, que mede a confiança no presente, caiu 2,9 pontos e chegou a 105,6. Já o Índice de Expectativas, que mede a percepção do empresariado em relação ao futuro, caiu 2,7 pontos e atingiu 84,8.

Segundo Rodolpho Tobler, economista da FGV, as medidas de estímulo recentemente anunciadas pelo governo ainda devem sustentar o nível de demanda atual por mais alguns meses.

A inflação e os juros altos, aliados a níveis baixos da confiança do consumidor, devem segurar uma retomada mais consistente do setor, argumentou ele.

IGP-M desacelera

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), indicador usado no reajuste dos contratos de aluguéis no país, ficou em 0,21% em julho deste ano. A taxa é menor à registrada no mês passado (0,59%) e a de julho de 2021 (0,78%).

Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o índice acumula taxa de 8,39% no ano. Em 12 meses, o acumulado é de 10,08%, abaixo dos 33,83% acumulados em julho do ano passado.

A queda da taxa de junho para julho foi puxada pelos três subíndices que compõem o IGP-M. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede o varejo, registrou deflação (queda de preços) de 0,28% em julho ante uma inflação de 0,71% no mês anterior.

A inflação do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que avalia o atacado, caiu de 0,30% em junho para 0,21% em julho. Já a taxa do Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) recuou de 2,81% para 1,16% no período.

Com informações da Agência Brasil.

 

Comentários
×