Pela primeira vez na história de Divinópolis, presidente da Câmara é reeleito

Print Jr segue no comando do Legislativo pelos próximos dois anos; chapa única recebeu apenas um voto contrário

Eduardo Print Jr (PSDB) segue na presidência da Câmara pelos próximos dois anos. Em reunião especial nesta sexta-feira, 11, os vereadores aprovaram a reeleição de Print. A nova chapa é composta pelo vice-presidente Israel da Farmácia (PDT), e o 1º e o 2º secretário, Zé Braz (PV) e Rodrigo Kaboja (PSD), respectivamente.

Apenas Diego Espino (PSC) votou contrário à chapa única. Em sua justificativa, ele citou a importância da alternância de poder. 

— O Eduardo tem meu respeito, é um excelente gestor, porém a alternância faz parte do cotidiano. (...) É preciso ter novas chances. (...) A alternância é viável, saudável. É preciso ter novas pessoas para mostrarem seu trabalho. 

O único a não votar foi Eduardo Azevedo (PSC), que não esteve presente na votação. Todos os demais votaram favoráveis à reeleição de Print. 

Ao fim, os vereadores parabenizaram a Mesa Diretora eleita pela vitória e defenderam a união em prol da cidade. Líder do governo na Câmara, Edson Sousa (Cidadania), reconheceu o "mérito" do presidente, uma vez que os demais parlamentares não conseguiram articular uma segunda chapa. Para Edson, a vitória consagra Print como um "líder político de Divinópolis". 

Em seu discurso, Print agradeceu os vereadores pelo apoio e definiu a data como uma "manhã histórica", pois pela primeira vez na história um presidente da Câmara foi reeleito. Até o ano passado, antes da mudança do Regimento Interno aprovado em Plenário, não era permitido a reeleição. O presidente também direcionou parte de seu pronunciamento aos servidores. 

— Nosso compromisso é trabalhar para o povo. Tratem bem a população, pois é ela quem nos paga. (...) Vamos cuidar do povo — concluiu.

Para os próximos dois anos, Print projeto continuar uma gestão de "austeridade e modernização", focando na modernização dos processos legislativo e com economia para os cofres públicos.

Comentários
×