Passagem de pedestres não está prevista, diz responsável pela 050

Uma mulher morreu atropelada ao tentar atravessar a rodovia; local gera constantes reclamações

 

Bruno Bueno

A morte de uma mulher, de 56 anos, atropelada na noite de domingo ao tentar atravessar o trecho duplicado da MG-050, próximo ao km 130, causou revolta, especialmente nos moradores do bairro Quintino, os quais se declaram mais prejudicados. 

Eles e outras pessoas que precisam atravessar a via cobram a implementação de uma passagem de pedestres, obra que não foi instalada durante a duplicação da pista. Atualmente, moradores se arriscam atravessando a rodovia para chegar ao bairro.  Em resposta ao Agora, a AB Nascentes das Gerais, empresa responsável pela pista, disse que obras de uma passarela para pedestres não estão previstas no contrato de concessão. 

— Sobre passagem de pedestres no trecho duplicado, próximo ao km 131,800, esta obra também não está prevista no contrato de concessão. Entretanto, informamos que uma possível construção está também em discussões com a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) visando a inclusão da nova obra no contrato de concessão —  disse em nota.

 

Obras

Na nota, a empresa afirma ainda que cumpriu todas as obras de duplicação, previstas no contrato de concessão.

— A AB Nascentes das Gerais informa que todas as obras previstas no contrato de concessão para a região do bairro Quintino, em Divinópolis, foram executadas e liberadas para o tráfego em junho de 2021. No trecho da MG-050 próximo ao bairro foram realizadas duplicações do trecho entre o km 130 ao km 132,8 e a construção de um novo viaduto com retorno em dois níveis — disse.

A respeito da falta de iluminação no local, outra reclamação constante de moradores, a concessionária informou que esse tipo de instalação não está prevista no contrato. No entanto, a empresa ressaltou que procura meios para garantir o cumprimento da demanda.

— Sobre iluminação pública do trecho próximo ao bairro Quintino, a AB Nascentes das Gerais afirma  que não está previsto no contrato de concessão rodoviária serviços de iluminação urbana, no entanto a concessionária tem ciência da demanda por iluminação e tem dialogado com a Seinfra, sobre a possibilidade de inclusão deste investimento no contrato de concessão — revelou.

 

Acidente

 

O acidente foi registrado no domingo por volta das 19h. Francisca de Fátima da Silva Salvino, de 56 anos, moradora do bairro Nilda Barros, foi atropelada ao tentar atravessar a rodovia da MG-050, próximo à entrada do bairro Quintino. 

De acordo com informações do Samu, a vítima apresentava múltiplas escoriações e politrauma. Ela já estava em óbito quando a Unidade de Suporte Avançado (USA) chegou ao local. 

— Não especificado por qual tipo de veículo foi atropelada, pois o solicitante a encontrou caída na rodovia — informou o Samu em nota.

A apuração do Agora confirmou que o carro que atingiu a vítima é um Chevrolet Prisma. A Polícia Militar (PM) fez a ocorrência no local e a Perícia foi acionada.

 

Reclamações

O local é alvo de reclamações constantes de diversos populares, incluindo políticos. A vereadora Ana Paula do Quintino (PSC),  principal representante da Câmara no local, já havia alertado sobre os riscos do trecho mesmo antes do acidente.

— Mais uma vez o passeio de acesso ao ponto de ônibus afunda, e a saída é sinalizar com o que se tem. A iluminação não voltou, travessia de pedestres elevada muito menos. Esse é o presente de grego que deixaram pra nós. Eis que de repente o passeio que leva os usuários ao ponto de ônibus vira uma plantação de mamonas. Será um alerta para ninguém cair nos buracos? — afirmou.

 

Culpou

A parlamentar usou suas redes sociais para lamentar a morte de Francisca. Ela culpou a empresa responsável pelo trecho e citou falta de infraestrutura e planejamento no local.

— Mais uma morte para a conta da AB Nascentes da Gerais. Mais uma vítima da irresponsabilidade e descaso da empresa com a população de Divinópolis. Precisamos colocar um fim nesses acontecimentos, são divinopolitanos morrendo por falta de infraestrutura e planejamento dessa empresa irresponsável — disse.

A implementação de uma travessia de pedestres é, segundo Ana Paula, a principal medida para impedir novos acidentes.

— A minha luta com a empresa é muito antiga, são anos lutando para que vidas não sejam tiradas na MG-050. Já falei inúmeras vezes nos meus pronunciamentos sobre o retorno da iluminação pública e a colocação da travessia de pedestres que é necessária para a segurança da população — relatou.

 

Prefeitura

A Prefeitura de Divinópolis lamentou o ocorrido e publicou uma nota de pesar pela morte de Francisca. 

— Neste momento de dor e consternação, respeitosamente, a Prefeitura presta suas condolências e se reúne aos familiares e amigos da senhora Francisca, para transmitir os sentimentos, pedindo a Deus que conforte os corações de todos — disse.

 

Repercussão

 

A morte de Francisca também gerou repercussão nas redes sociais. A internauta Rosilene Fonseca definiu como absurda e desrespeitosa a situação no local.

— Deveria ser obrigatório ter uma passarela para pedestres. Colocaram dois pontos de ônibus obrigando as pessoas a atravessar a via, um absurdo isso. É pouco caso aos moradores e desrespeito com a vida deles. Tenho familiares idosos que moram aí e acho um absurdo — enfatizou.

Rodrigo Di Gois também se indignou com o acidente.

— Triste situação. Até quando vamos continuar sofrendo, perdendo pessoas pelas irresponsabilidades dessas empresas e pela omissão dos nossos governantes? Pra pegar nosso dinheiro eles se organizam, agora, para cumprir seu papel, fazer as obras que têm de ser feitas não fazem. Brasil sendo Brasil — opinou.

 

Comentários
×