Ovos de chocolate podem variar até 65%, aponta pesquisa

Pressão inflacionária dos últimos meses e condições climáticas contribuíram para a elevação dos valores em 2022.

Uma pesquisa realizada pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômico Sociais (NEPES) da Faculdade UNA Divinópolis traz que os ovos de chocolate podem variar até 65% entre marcas e estabelecimentos da cidade. Para o levantamento, foram consultados os preços de 16 ovos de chocolate de diferentes tamanhos das marcas Lacta, Nestlé, Arcor, Garoto, Kinder e Ferrero Rocher, comercializados em cinco estabelecimentos diferentes. A pesquisa foi realizada entre os dias 26 a 30 de março.

De acordo com o professor Wagner Almeida, coordenador da pesquisa, o ovo de chocolate com a maior variação no preço entre os estabelecimentos pesquisados foi o Galak da Nestlé com 185 gramas, 65,7%. O menor preço encontrado para este ovo de chocolate foi de R$ 34,99 e o maior, R$ 57,99. O preço médio para este ovo foi de R$ 47,66.

Já os ovos com a menor variação entre o maior e menor preço foi o Lacta com diamante negro, embalagem de 300 gramas e o sonho de valsa, 357 gramas. Para esses ovos o valor médio foi de R$ 43,63; sendo o maior valor de R$ 43,99 e o menor, R$ 42,99.

Os ovos de páscoa Talento da Garoto (350g) e Alpino da Nestlé (337g) apresentaram variação entre os maiores e menores preços na ordem de 40%. O Talento variou de R$ 49,79 a R$ 69,89 com preço médio de R$ 59,53. Já o Alpino variou de R$ 49,79 a R$ 69,99, com preço médio de R$ 59,56.

Outros ovos de chocolate que apresentaram variação alta nos preços foram o Bis 318 gramas (30,7%), com preço médio de R$ 47,70, variando de R$ 42,99 a R$ 56,20. O Lacta com diamante negro 500 gramas (30,3%), variando de R$ 74,99 a R$ 97,69 e um preço médio de R$ 83,19. Outros ovos com variação superior a 20% foram: Kitkat White (28,3%), o Ferrero Rocher (25%) e o Arcor (26,7%).

- Este levantamento não teve a intenção de apresentar a evolução dos preços dos ovos de chocolate em função da ausência de dados referentes ao mesmo período do ano anterior. Sendo assim, limita-se somente a apresentar a média de preços praticados pelos estabelecimentos em Divinópolis no período - explica Wagner.

Mais cara

Ainda segundo o professor e coordenador da pesquisa, Wagner Almeida, comparado a 2021, a páscoa este ano estará mais salgada para os consumidores. Segundo a Associação Brasileira de Supermercados, a ABRAS, os ovos de páscoa em 2022 estão em média 15% mais caros. Isto se deve a forte pressão inflacionária que estamos vivendo na economia como um todo.

- Em 2022, dentre os fatores que impactaram para que o ovo de chocolate encarecesse, podemos considerar a alta no preço do açúcar, do leite e do cacau. Estes insumos foram prejudicados pelas questões climáticas, tanto pelas geadas de inverno quanto pelo período de seca. Além disso temos que considerar a variação do dólar e do peso das contratações e dos impostos - explica Wagner.

O professor ainda destaca que a produção dos ovos de páscoa é algo mais complexo para os fabricantes, pois envolvem custos com embalagem, armazenamento e logística diferenciados.

- Diante dessa alta visível de preços, a compra do ovo de chocolate pode se tornar inviável para alguns consumidores, pois apesar de ser um produto muito desejado, não é um produto de primeira necessidade. Com isso vale algumas dicas para tentar não deixar faltar o tradicional ovo de chocolate no domingo de Páscoa, como substituir o tradicional ovo por tamanhos menores, ou pelas barras ou caixas de chocolate que são mais baratas. Optar por marcas próprias dos estabelecimentos que tendem a ter um preço menor em relação as marcas tradicionais ou até mesmo optar por produzir em casa seus próprios ovos - finaliza.

Comentários
×