Operação tapa-buracos é reforçada para lidar com as consequências das chuvas

Algumas vias já foram restauradas, outras ainda apresentam problemas; cronograma é definido conforme demanda

 

Da Redação

Por conta dos desgastes causados pelas intensas chuvas, além da ação do tempo e rodagem dos veículos, a operação tapa-buracos continua nas ruas de Divinópolis.  O serviço, que funciona há bastante tempo na cidade, tem o objetivo de acabar com as deformidades nas vias, a fim de trazer condições satisfatórias de tráfego e evitar prováveis acidentes. A operação foi reiniciada em julho do ano passado e é feita diariamente, segundo a Prefeitura, de acordo com o surgimento de novas demandas.

Dois fiscais de pavimentos foram contratados para inspecionar a operação e assegurar que o serviço aconteça dentro do planejado, segundo informações da Prefeitura divulgadas ontem.

Os fiscais vão acompanhar todo o processo da operação, como a demarcação dos buracos, pesagem dos caminhões, aferição de temperatura da massa asfáltica, acompanhamento da aplicação do material e da rota.

 

Demandas

Na última sexta, 28, a avenida JK foi restaurada, desde a Praça da Catedral até a rotatória próxima ao hospital odontológico, o que equivale a cerca de três quilômetros.

As vias paralelas, segundo a atual administração, também foram restauradas, como as ruas Pitangui e Centralina, além das áreas onde estão localizados o Hospital Santa Mônica e o shopping Pátio.

O serviço também esteve nas regiões dos bairros Santa Marta, Bom Pastor, Jardim das Oliveiras, Santa Rosa, Mangabeiras e do Aeroporto Regional Brigadeiro Antônio Cabral.

Na segunda, 31, após as chuvas na cidade, a operação atendeu as áreas dos bairros Santa Rosa, Mangabeiras, Santa Marta, Bom Pastor e do Aeroporto Regional Brigadeiro Antônio Cabral. As obras começaram na avenida Ayrton Senna e continuaram pela rua Dr. João Ferreira de Moraes e avenida Orion.

Na terça, 1°, a recomposição asfáltica ocorreu na avenida Ayrton Senna, no bairro Santa Rosa e continuou na rua Dr. João Ferreira de Moraes, no bairro Mangabeiras. Algumas vias do bairro Danilo Passos também foram restauradas, além das ruas Coronel João Notini e Rio Grande do Sul, no Centro.

Uma área que, apesar de movimentada, não foi atendida pela operação foi o bairro Porto Velho, em especial, a rua Goiás, que já vem apresentando inconsistência nos asfaltos por cerca de 20 dias e que, com a chuva, só se intensifica.

 

Cronograma

O cronograma é divulgado diariamente pela Prefeitura de Divinópolis pelo site (divinopolis.mg.gov.br). Na nota, é possível acompanhar os locais onde a operação vai funcionar durante o dia.

Quanto à finalização das obras, não existe, ainda, uma data de previsão, visto que a operação funciona a partir das demandas que vão surgindo, apontamentos feitos pela secretaria e reivindicação dos moradores, sobretudo após as chuvas no início do mês que causaram estragos na cidade.

 

Verbas

Segundo a Prefeitura, por meio da assessoria de comunicação, os valores gastos com a manutenção das vias ainda não estão disponíveis, mas um balanço será divulgado em breve.

Em agosto de 2021, a cidade recebeu a verba de R$ 1,8 milhões, destinados para a usina móvel de asfalto. Com o valor, seria possível a compra de uma betoneira, uma retroescavadeira e uma máquina patrol. Os maquinários são considerados soluções vantajosas, tanto do ponto de vista financeiro quanto da eficiência.

Em agosto do ano passado, foi assinado o termo de medidas de reparação, prevendo o repasse de R$ 15 milhões para Divinópolis, do acordo firmado com a mineradora Vale.

Desse valor, R$ 6 milhões foram depositados na conta da Prefeitura ainda naquela época, R$ 4,5 milhões foram creditados em janeiro deste ano e a terceira e última parcela será depositada em julho.

A quantia tem como finalidade melhorias na cidade, em áreas como pavimentação, saúde, educação, entre outros. A Prefeitura de Divinópolis, em contato com o Agora, afirmou que a verba utilizada na operação tapa buracos não é a mesma recebida do acordo com a Vale. 

 

Ano passado

Em 2021, entre os meses de janeiro a agosto, segundo a Secretaria Municipal de Operações e Serviços Urbanos (Semsur), foram utilizadas 6.445,89 toneladas de asfalto na reparação de vias de todos os municípios da região. No mês de janeiro foram 848,5 toneladas, 1.465,28 em fevereiro, 921,65 em março, 1.062,83 em abril, 337,49 em maio, 118,78 em junho, 1.088,33 em julho e 603,03 em agosto.

Em relação aos tipos de asfalto, 999,67 toneladas de material pré-misturado a frio (PMF) foram aplicadas e 5.446,22 toneladas de concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ).

 

Comentários
×