O que dizer?

O que dizer?

2021 chega ao fim. E falar que foi um ano difícil, sofrido e um dos piores da últimas décadas chega a ser clichê. É o que se ouve desde janeiro, quando, enfim, a vacina contra a covid-19 chegou, mas infelizmente um pouco tarde para alguns que entraram na estatística das mais de 600 mil vítimas do vírus. Em Divinópolis, não foi diferente. A “Cidade do Divino” teve um início de ano trágico, quando se registrou o maior número de mortes e de infectados pela doença. Os meses foram passando, a quantidade de pessoas vacinadas aumentava, os casos de coronavírus foram caindo gradativamente e a esperança voltava aos poucos. No entanto, não teve e não tem como se livrar das consequências. Nesse sentido, a população ainda está se readaptando a toda a situação e, em muitos casos, reaprendendo com a lição deixada pelo vírus. No entanto, todo sofrimento tem seu lado positivo. Pode não ser fácil, mas serve de aprendizado. O que não pode é perder a esperança e parar de lutar, pois, “depois da tempestade, o sol sempre aparece”, isso é fato. O certo é que todos os segmentos foram afetados e, agora, é hora de todos darem as mãos e formarem uma corrente para que todos possam sair ainda mais fortalecidos e juntos buscarem alternativas que se adequem ao “novo normal” para que no fim de 2022 esta história seja contada de forma muito diferente. Que a vontade de ver o outro bem supere o egoísmo, que o “eu” se transforme no "nós" e que, enfim, a empatia tão falada seja colocada em prática. O ano novo bate à porta e que, ao abri-la, cada um de nós o receba com o desejo de mudança, de ser e agir diferente. Que, ao recebê-lo, possamos nos comprometer e fazer o máximo para que ele seja muito diferente do seu antecessor, tendo como ponto de partida o amor ao próximo. Esse, sem dúvida, é o começo para que nos lembremos de 2021 não com tristeza, mas com a certeza que o susto foi necessário para que nos tornássemos mais humanos tendo a certeza da necessidade da mudança. É, 2021, felizes são aqueles que vão se despedir de você com a sensação de dever cumprido, mas felizes serão também os que têm a consciência de que deixaram a desejar, mas que estão dispostos a mudar e se entregar ao novo ciclo, nova vida e a um novo ano que promete ser o divisor de águas. Ou talvez não. Porque depende exclusivamente de cada um de nós. Basta olhar para o lado, lá estará alguém, ou alguma coisa que pode transformar nossa vida para sempre. Se não for suficiente, olhe para cima, para onde muita gente volta os olhos em momentos de desespero, de incertezas, de tristeza, de felicidade... De lá, a resposta sempre vem, não importa o tempo, a demora. É com essa certeza que terminamos mais um ano sempre almejando dias melhores sem deixar de lutar e confiar. Afinal, quem acredita sempre alcança! Um feliz 2022 e que ele seja repleto de notícias boas. 

Comentários
×