Números de internados em leitos de UTI covid cresce 450% em 12 dias

Em meio a um novo surto, postos e farmácias de Divinópolis registram aumento na procura por testes

 

Bruno Bueno

Divinópolis volta a presenciar momentos sombrios da pandemia. A proliferação da variante ômicron provocou um aumento de casos e internações, causando um verdadeiro surto da doença no município. De acordo com informações da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), o número de internados em leitos de UTI covid cresceu 450% em 12 dias. No dia 6, conforme a pasta, havia seis pessoas internadas nesse setor nos hospitais da cidade. O balanço da Semusa divulgado ontem aponta para 27 internações. O aumento também provocou uma corrida na procura por testes de covid. Unidades de saúde e farmácias já registram a falta dos materiais.

 

Postos de saúde

Uma funcionária do posto de saúde Central, que preferiu não se identificar, foi clara ao dizer que a procura por testes está enorme.

— O posto tem testes de covid, mas não pode fornecer para populares de outras regiões. A unidade está com uma demanda enorme de pessoas com sintomas respiratórios na abrangência. Só hoje (ontem) mais de dez pessoas de outros postos procuraram nossa unidade — disse.

Ainda segundo a servidora, a maioria das pessoas está testando positivo para a doença.

— Não faltam testes de covid-19. As unidades que esgotaram seu estoque podem solicitar a busca de mais materiais. Eu mesma já fiz isso hoje. É viável que os populares questionem essa informação com servidores da unidade próxima a sua região. Sobre as testagens, infelizmente, a maioria está positivando para a doença — relatou.

 

Sem testes

A situação do posto de saúde Central é diferente de outros locais. A unidade do bairro Ipiranga, conforme relato de uma servidora que também prefere não se identificar, está sem testes devido à alta procura. 

— Eles ainda não chegaram. As pessoas que querem atendimento para sintomas de covid devem realizar o teste primeiro. A expectativa é que os materiais cheguem amanhã [hoje]. Quem não puder esperar, deve procurar a UPA ou outro posto de saúde — afirmou.

Questionada sobre a afirmação da servidora do posto de saúde Central, que informou que as unidades que estão sem testes de covid podem buscar na rede de distribuição, a funcionária respondeu que “no momento, não temos ninguém para buscar os testes”.

 

Testes particulares

O funcionário de uma farmácia no Centro da cidade, Ruan Fernandes, não sabe se a quantidade de testes vai suportar a alta demanda.

— Estamos com uma fila enorme. É uma demanda muito grande, tem muitas pessoas com sintomas. Por enquanto ainda temos testes, mas não temos certeza de quando vai acabar, porque são muitas pessoas. Se acabar, infelizmente só conseguimos novos materiais na segunda. Infelizmente, a maioria está testando positivo — disse.

Outra funcionária, que trabalha em uma farmácia no bairro Bom Pastor, contou ao Agora que sua unidade não possui mais testes.

— Infelizmente a procura está muito grande. Nosso teste custa R$ 120, mas por hoje não temos como fazer pela falta de materiais. A expectativa é que os produtos cheguem hoje à noite (ontem) — ressaltou.

 

Dados

O surto de covid-19 começou após as festas de fim de ano. Entre os dias 6 e 13 de janeiro, Divinópolis registrou 287 novos casos da doença. Outro número preocupante é o da ocupação de leitos. 

Ainda conforme informações da Semusa, 27 pessoas estão internadas nos 40 leitos de UTI covid disponíveis na cidade, o que representa 67,5% de ocupação. No setor de enfermaria, a taxa é de 72,2%, com 31 leitos ocupados entre os 43 totais do município.

 

Prefeitura

O aumento de casos de covid também provocou a suspensão do atendimento presencial em um setor da Prefeitura. 

— A decisão foi tomada pensando no bem-estar e na saúde dos cidadãos e dos servidores em geral. (...) As equipes de servidores de cada setor avaliaram os processos em tramitação para analisar a manutenção dos prazos em curso. Havendo necessidade, a prorrogação será regulamentada por portaria da secretaria — disse.

 

Arcos

O aumento crescente é registrado em cidades vizinhas. Na região de Arcos, município que fica a 94 km de Divinópolis, o prefeito Claudenir José (PL) autorizou, por meio do decreto municipal nº 6.138, publicado na última sexta, a implementação do toque de recolher. Assim, ninguém, salvo emergência comprovada, pode sair de casa entre 00h30 e 5h.

A concessão de alvarás para casas de show, festas e eventos também está suspensa. O uso de máscaras, segundo o decreto, é obrigatório e será exigido nos estabelecimentos, que também devem fornecer álcool 70% para uso de clientes e funcionários. A utilização em todos os outros espaços públicos e privados também é obrigatória.

Quem descumprir as medidas, conforme o Executivo, está sujeito a punições. O decreto vale por 15 dias.

 

Comentários
×