Número de candidatas é três vezes maior do que em 2018

Sete nomes de Divinópolis estão confirmadas na disputa; apenas duas concorreram nas últimas eleições

 

 

Bruno Bueno

Flávia Gontijo (SD),  Gleide Andrade (PT), Laiz Soares (SD), Lohanna França (PV), Luciana Santos (PSD), Thay Araújo (PT) e Valéria Morato (PC do B). Sete candidatas de Divinópolis. O número é três vezes maior do que as eleições de 2018. 

Apenas duas concorreram na última disputa. Roberta Carrilho (PC do B) se lançou à deputada estadual e Heloísa Cerri (Avante) para federal. Nenhuma das duas foi eleita. 

Avanço

As mulheres representam um terço do total de 21 candidatos. No entanto, a proporção é bem maior em comparação às últimas eleições. Somente 15% dos concorrentes de Divinópolis eram mulheres em 2018. O número dobrou neste ano. 

Mesmo com o avanço, o número ainda é pequeno se analisado o total de eleitores. De acordo com o último levantamento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/MG), o eleitorado feminino se sobressai em Divinópolis como nas eleições anteriores: 53,22% do público votante são mulheres, o que corresponde a 90.786 eleitoras. O restante, 46,68%, são homens, que contabilizam 79.466. 

Outro fator determinante para o aumento é a regra das cotas de gênero. A ação prevista no artigo 10, parágrafo 3º da Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições), diz que todas as legendas têm a obrigatoriedade de respeitar o percentual mínimo de 30% e máximo de 70% para candidaturas do gênero feminino ou masculino.

Estadual

Cinco mulheres almejam chegar na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) como deputada estadual. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis (Sintram), Luciana Santos, é uma delas. A representante, que ganhou notoriedade nos últimos anos com sua luta sindical, tenta seu primeiro mandato político. Presidente do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro), Valéria Morato também está na disputa.

A vereadora mais votada da história de Divinópolis, Lohanna França, tenta chegar à ALMG. A assistente social e transgênero Flávia Gontijo é mais uma no páreo. Professora e ativista social, Thay Araújo (PT) também busca uma vaga no parlamento mineiro.

Federal

A disputa por vagas na Câmara dos Deputados terá a presença de Gleide Andrade. Ex-secretária de finanças do PT, ela aposta em sua aliança com o ex-presidente Lula para conquistar uma vaga em Brasília.

Laiz Soares (SD), terceira colocada na disputa pela Prefeitura em 2020, tentará conquistar um cargo em Brasília. Ela já foi assessora de Tábata Amaral (PSB), atual deputada na Câmara. 

 

Comentários
×