Minas não vive 4ª onda, avalia secretário de Saúde

Assim como outras doenças respiratórias, covid deve se tornar sazonal, com o aumento de casos em períodos de temperaturas baixas

Matheus Augusto

Em coletiva na manhã desta sexta-feira, 24, o secretário de Estado de Saúde de Minas  (SES-MG), Fábio Baccheretti, atualizou o cenário da pandemia. Segundo ele, Minas não vive uma nova onda da covid-19. Assim como outras doenças respiratórias, é esperado o aumento de casos da doenças durante a proximidade com o inverno. Com isso, a expectativa é que a vacinação, hoje com o reforço aplicado a cada quatro meses, se torne anual - com possibilidade de doses extras para públicos considerados mais vulneráveis.

— Temos um aumento de casos de covid, mas muito longe do que vivenciamos em janeiro e fevereiro com a ômicron. Estamos vivendo de novo um aumento de casos da sazonalidade, (...) mas nossa curva de óbitos ainda é muito baixa. (...) a gente esperava esse aumento sazonal. Não estamos vivendo uma 4ª onda por uma cepa nova, o que estamos vivendo agora é o aumento de casos respiratórios comum dessa época — avalia o secretário. 

A análise do cenário no estado, disse Baccheretti, aponta para a tendência de queda, nas próximas semanas, na procura por atendimentos por sintomas de doenças respiratórias.

— Há uma expectativa de que o pico de doenças respiratórias, especialmente em crianças, já passou. Estamos em queda de atendimento de crianças nos hospitais — afirmou, citando o pico entre março e abril. 

Apesar dos indicadores sob controle, o momento não é de relaxamento. 

— Ainda estamos na época de inverno, ainda é uma época complexa para crianças, mas percebemos já uma proporção menor. O pico em crianças passou — explica.

Por fim, o secretário ressaltou que, devido à sazonalidade, no mesmo período do próximo ano, os casos de covid-19 devem voltar a aumentar. Mesmo diante da alta, Baccheretti reafirmou o uso de máscara como uma recomendação, mas que “não vê sentido” em determinar novamente a obrigatoriedade da proteção facial no estado diante das diferenças de cenário em cada região. 

Comentários
×