Minas Gerais reduz intervalo entre segunda dose e reforço de seis para cinco meses

Adesão à dose de reforço tem sido baixa, alerta secretário.

Matheus Augusto

O secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Fábio Bacchereti, comunicou, nesta sexta-feira, 12, a redução do intervalo entre segunda dose para a terceira, de reforço, dos atuais seis meses para cinco. O objetivo é adiantar a imunização da população, especialmente do grupo mais vulnerável à covid-19: os idosos.

Segundo o secretário, a adesão à dose de reforço tem sido “menor do que a esperada” e, apesar da queda do número de mortes, o público mais velho continua sendo a faixa etária com mais mortes.

— Assim, conseguimos reforço, especialmente para o grupo de idosos e trabalhadores da saúde, que agora poderão se vacinar com cinco meses — afirmou.

Segundo a estimativa da secretaria, uma parcela considerável da população, em particular quem recebeu AstraZeneca, que tem intervalo entre doses maior, estaria apta a receber a terceira imunização apenas em janeiro de 2022. Com a mudança, o Estado fortalece a cobertura vacinal já neste ano.

— Vamos ampliar a imunidade deste público mais vulnerável mais cedo — justificou.

Comentários
×