Lula propõe hospital-escola e conversa com governador

Fala de ex-presidente viralizou nas redes, sendo criticada por apoiadores de Bolsonaro

 

 

Da Redação

Dias após o Estado publicar o edital para retomada das obras do Hospital Regional em Divinópolis, o tema chegou ao conhecimento do ex-presidente Lula (PT). Em ato de campanha, no domingo, em Belo Horizonte, representantes da cidade apresentaram a demanda ao candidato. 

Em trecho divulgado pela vereadora Lohanna França (PV), eleita deputada estadual, o presidente contou não conhecer o governador Romeu Zema (Novo), mas prometeu diálogo, caso seja eleito. Ele propôs que o Hospital Regional seja atrelado à Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). 

Em novo vídeo publicado mais tarde, o candidato a presidente aparece ao lado também de Laiz Soares (Solidariedade) e do ex-prefeito Demetrius Pereira, que relembrou o apoio de Lula na construção da universidade, o campus Dona Lindu, nomeado em homenagem à mãe do ex-presidente, que esteve presente na inauguração do campi, em 2010.  

 

— Eu tenho na minha lembrança o dia que nós [ele e Demetrius] discutimos sobre a universidade, porque a gente estava em cima de um palanque quando aconteceu o fato de eu dizer que se ele desse o local, nós iríamos fazer a faculdade. Você deu o lugar e a faculdade está lá, funcionando — relembrou Lula. 

O ex-presidente disse que é fundamental discutir, junto ao governo estadual, o modelo de gestão, para que a universidade faça parte do funcionamento do Hospital Regional.

— Estou sabendo que temos um problema sério, ou seja, é preciso complementar, para que a universidade seja completa e possa prestar serviço ao povo de Divinópolis e da região. É preciso que tenha o hospital-escola. Ganhando as eleições, vou conversar com o governador. Se for preciso ajudar a construir, terminar e fazer com que a universidade tenha sua total finalidade, não só ensinando as pessoas a serem médicas, mas dando prazer deles terem prática, fazendo residência — argumentou.

 

Repercussão

 

A fala foi recebida por elogios e críticas. Pelas redes sociais, Zema (Novo) criticou o partido do petista, que governou o estado de 2015 a 2018. 

 

No governo PT em Minas teve posto de saúde fechado, merenda sopa de arroz, hospitais abandonados, estradas sem qualquer manutenção e servidores com salários atrasados. O mineiro não é gado. É povo sábio e honrado, que do PT já tá vacinado — acusou.

O prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo, e seu irmão, o agora deputado estadual, Eduardo Azevedo, ambos do PSC, também repudiaram a fala. Eduardo chamou o ex-presidente de “cínico, dissimulado e cara de pau” e, em seguida, explicou que o edital para a conclusão do hospital já foi publicado por Zema. 

 

— Até o mérito da obra ele quer roubar — argumentou. 

 

Obra

 

Iniciada em 2010 e paralisada em 2016, é esperada que a obra do hospital regional seja retomada até o início do próximo ano. Atualmente, está aberto o edital para definir a responsável pela conclusão. O recurso para finalização já está em caixa, assegurado pela indenização paga pela Vale. A Comissão Permanente de Licitação fará a análise dos requisitos para definir a vencedora no dia 27 de outubro, às 9h.

 

É esperado que o mesmo funcione sob o modelo de Concessão de Uso, com funcionamento exclusivo pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Comentários
×