Lucros sustentáveis

BLOCO DE MODA

Wagner  Penna

 

LUCROS SUSTENTÁVEIS

A sustentabilidade é o novo motor de propulsão da moda. Sem esse apelo, ninguém do setor consegue ganhos – seja o dono da pequena confecção de bairro, seja o estilista que pretende estar sintonizado com a modernidade ou até o investidor que aplica seu dinheiro em marcas e redes de varejo para lucrar.

Nessa cadeia, o ponto mais frágil é o da confecção (média ou pequena), que tem dificuldades enormes para atender a esses novos requisitos e mesmo identificar quais as maneiras com que  sua marca poderia contribuir para melhorar as condições do planeta. Vale a pena buscá-las, pois pesquisas indicam que  38,4%  dos consumidores estão dispostos a pagar até 30% a mais por produtos com responsabilidade socioambiental.

  Entre as sugestões para isso estão uma parceria com fornecedores que respeitem alguns pontos-chave da economia justa (isto é, sem exploração de mão de obra mal paga, uso exagerado de química na elaboração do produto etc.) , encontrar uma tecelagem  que respeite o ecofashion ou uma marca confiável de aviamentos. Um programa de distribuição mais enxuto também ajudaria bastante.

Fica  a dica.

 

VAIVÉM

  • A notícia fashion mais interessante dos últimos dias é que a poderosa Amazon vai instalar sua primeira loja física de roupas. Líder em vendas pelo e-commerce em todos os setores, a moda agora é seu alvo. O objetivo é envolver o cliente de forma mais direta com a empresa – com mais de 150 grifes disponíveis. Essa loja inicial será em Los Angeles, EUA.

 

  • A marca italiana Prada anunciou, nesta semana, que as vendas do grupo em 2021 subiram 41%, isto é, para 3,364 mil milhões de euros, ou 8% acima dos níveis de 2019. Trata-se do primeiro grande grupo de luxo a divulgar os seus resultados neste início de ano. Agora, os investidores esperam os números da Richemont, Burberry e LVMH.

 

  • PONTO FINAL: Uma das figuras icônicas do jornalismo fashion mundial, o americano André Leon Talley faleceu na última semana, aos 73 anos. Durante anos, trabalhou na Vogue América. Era um dos “discípulos” da supereditora Diana Vreeland. Com seu brilho e inteligência, ele mudou seu destino de menino negro e pobre. Um vencedor, cuja vida merece aplausos de quem atua na moda e o reconhecimento de seu talento.

 

Comentários
×