Jaime de vice?

Preto no Branco 

As conversas entre o PL e o União Brasil estão avançadas e o partido deve indicar o vice ao Governo de Minas nas eleições de outubro. A informação é do próprio candidato do partido do presidente Jair Bolsonaro, Carlos Viana. A novidade nestas conversas é a presença de mais um nome que representa Divinópolis na chapa que apoia o atual chefe do Executivo nacional: o de Jaime Martins. Isso mesmo. O ex- deputado federal é cotadíssimo para se juntar a Viana na disputa. O senador revelou, neste domingo, que no máximo até hoje sai o nome do escolhido. Se esse for o de Jaiminho, deputado por seis mandatos, a cidade ganha mais uma vez já tem Cleitinho no grupo  provando sua importância no cenário mineiro e nacional, quando se trata de política e pessoas que a exercem muito bem. 

Para a história 

Cleitinho Azevedo (PSC), como já era esperado, foi  oficializado, no último dia de convenção, como candidato ao Senado. No entanto, o  apoio não é unanimidade na legenda, visto  que o deputado divinopolitano estará contra o governador e candidato à reeleição, Romeu Zema (Novo), no pleito.  Posição contrária a do presidente do PSC em Minas, Euclydes Pettersen, candidato à reeleição como deputado federal. Azevedo vai apoiar o senador Carlos Viana (PL). Independência de apoio que Cleitinho já tinha deixado claro em entrevistas ao Agora antes da confirmação do seu nome. Não deixa de ser uma decisão inteligente do partido, pois, independente de quem vencer, direta ou indiretamente, houve suporte da sigla. Aleatório à divisão de apoio, Cleitinho entra para a história política de  Divinópolis e região por ser o primeiro candidato a disputar uma vaga para o Senado. E, neste momento, para a cidade e o Centro-Oeste, isso é o mais relevante. 

Estado e país 

E a divisão de apoio não acontece apenas em nível de Estado. Euclydes Pettersen revela apoio a Zema em Minas e a Bolsonaro a nível nacional. O partido espera eleger quatro deputados federais e três estaduais nestas eleições. Lembrando que além de Cleitinho, a legenda em Divinópolis conta outros três candidatos: Eduardo Azevedo para a Assembleia Legislativa, Fabiano Tolentino e Diego Espino para uma cadeira na Câmara Federal.  Os partidos têm até o dia 15 do próximo para registrar as candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Pode ser que, daqui até lá, haja alguma mudança, mas caso não, Divinópolis terá mesmo 21 candidatos  nas eleições de 2022. Muita gente para 170 mil eleitores, o que significa que a pulverização dos votos deve ser o destaque no pleito por aqui, mais uma vez. Lamentável que os interesses pessoais estejam novamente acima dos da população. 

Explicação e críticas 

Se a quantidade de candidatos a deputado ainda é incerta, não se pode dizer o mesmo para governador de Minas. Pelo menos se depender dos que marcaram presença no primeiro debate. Promovido pela Band Minas, entre os principais, só não teve a presença de Romeu Zema. Faltando menos de duas horas para o início, ele informou que não iria. Explicou, em nota, que não estava em condições plenas de participar, visto que ainda se recupera de uma indisposição que os afastou das agendas programadas na última semana. Os presentes não quiseram nem saber do mal-estar do governador e usaram praticamente todo o primeiro bloco para criticar a ausência. Além disso, atacaram "sem dó nem piedade” as ações do atual governo, como a causa ambiental. Sem o atacado para se defender, já viu, né! Como ele disse que iria assistir, pode ter servido de preparação para o próximo embate. 



Coment√°rios
×