Internações seguem em queda

Semusa volta a reforçar continuidade da vacinação infantil; universidades exigem certificado de vacina

Da Redação

Passado o pico da ômicron em Minas Gerais, Divinópolis segue com indicadores de hospitalização por covid-19 em queda. O balanço da Secretaria de Saúde (Semusa), divulgado ontem, aponta para dez pacientes (24,39%) internados nos 41 leitos disponíveis de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). No setor de enfermaria, o índice é ainda menor, de 9,86%, com apenas sete dos 71 leitos ocupados.

— Nas UTIs, o Complexo de Saúde São João de Deus registra dois casos de covid-19 em suas UTIs, sendo todos no CTI adulto da área do SUS. No Hospital Santa Mônica, foram registrados seis casos no CTI adulto, com a adição de três leitos extra, além de um caso no CTI infantil — detalhou, em nota, a Prefeitura. 

Os hospitais Santa Lúcia e São Judas Tadeu não possuem internações nesse setor.

 

Vacinação

A Semusa anunciou ontem que a vacinação contra covid de crianças de 5 anos e imunossuprimidas, que só têm autorização pela Anvisa para receber o imunizante da Pfizer pediátrica, passará a ser exclusivamente às sextas-feiras, nos pontos de vacinação estratégicos anteriormente estabelecidos.

— O motivo da mudança para a vacinação desse público é que, considerando que o imunizante da Pfizer do laboratório BioNTech só foi disponibilizado pelo fabricante em frascos contendo 10 doses, cuja validade após diluição são de apenas 12 horas, o Município adotou estratégias a fim de otimizar o uso das doses desse imunizante, definindo a abertura dos frascos em somente um dia da semana — justificou.

A estratégia visa evitar o desabastecimento da vacina na cidade.

Para as crianças entre 6 e 11 anos, tanto da primeira quanto da segunda dose de CoronaVac, o processo continua o mesmo, de segunda a sexta, das 8h às 16h. 

Os pontos de vacinação infantil para esse público são: ESF Belvedere, ESF Candidés, ESF Nilda Barros, ESF Serra Verde, ESF Tietê, Unidade Básica de Saúde Bom Pastor, UBS Nações, UBS Niterói, UBS Nossa Senhora das Graças e UBS Ipiranga. 

A ESF Ermida realiza vacinação pediátrica às terças e quintas-feiras.

 

Segura

O secretário de Estado de Saúde (SES-MG), Fábio Baccheretti, voltou a destacar ontem que ambas as vacinas são seguras.

— A vacina é segura, tanto Pfizer quanto CoronaVac. É a única saída para a pandemia. Temos muitas doses disponíveis e muitas crianças ainda não foram tomar. Não acreditem em fake news, acreditem em informação de verdade. Vacinem as crianças para protegê-las — enfatizou.

No estado, mais de 55% das crianças se vacinaram com a primeira dose. Até o momento, nenhuma morte foi causada pela vacinação.

— No começo, houve alguma desconfiança, mas à medida que foi havendo uma grande procura, as pessoas foram constatando que não havia nada de grave. Desta forma, os pais ou responsáveis se sentiram mais seguros. Já aplicamos um milhão de doses em crianças e não tivemos nenhum evento adverso grave. Ou seja, a vacina é segura e este é o caminho que temos em relação à pandemia — tranquilizou.

 

Universidades

Em Minas Gerais, ao menos seis de 11 universidades federais devem exigir comprovante de vacinação de estudantes e profissionais. Vão exigir o certificado: Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Universidade Federal de Viçosa (UFV). Universidade Federal de Lavras (Ufla) e Universidade Federal de Itajubá (Unifei), ambas no Sul de Minas Gerais, não vão exigir. As demais ainda não se manifestaram. O levantamento foi feito pelo site G1.

Inicialmente, o Ministério da Educação havia sinalizado que as instituições federais de ensino não poderiam fazer tal exigência, visto que a vacinação não é obrigatória. 

No entanto, no mês passado, por 10 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a autonomia das universidades em cobrar ou não o comprovante de vacinação para os alunos participarem das aulas presenciais.

Comentários
×