Influenciadoras digitais

BLOCO DE MODA

Wagner Penna

 

Influenciadoras digitais

Os modos de se comunicar com a moda vão mudando e, assim, o mundo também se molda. Nos últimos anos, o alcance das influenciadoras no segmento fashion (do vestuário aos produtos de beleza), ganhou destaque ‒ e força equivalente junto ao mercado consumidor.

Assim, algumas estrelas no assunto apareceram. As proporções da influência de cada uma variam de acordo com seu poder de fogo (leia-se: cliques em seus posts), sendo que algumas são mundiais, outras nacionais, muitas regionais e dezenas (chamadas microinfluenciadoras) apenas locais.

No Brasil, um dos nomes mais importantes é o da pernambucana Camila Coutinho, que, além de entender bem o que está fazendo, é uma pessoa linda, personalidade simples e amistosa e séria no desenvolvimento do seu trabalho. Sua influência é internacional (citando-se aqui o convite que recebeu  para participar de vídeo de uma cantora norte-americana, em Hollywood).

Entre as influenciadoras com fortes ligações pessoais com Minas, a mais destacada é a Silvia Braz (que foi casada com o empresário Glauco Braz) ‒ cumpre seu papel com um profissionalismo exemplar e se aprimora cada vez mais no assunto. Com uma postura sempre elegante e passando uma imagem de mulher bacana e chique, perpassa essa “finesse” aos produtos que apóia. O sucesso é tanto que, agora, foi além da moda e é uma das novas embaixadoras da marca de carros Audi.

Obviamente, existem outros muitos nomes, mas esses dois exemplos representam bem o que de melhor existe no assunto e simbolizam essa nova era de moda expandida pela linguagem virtual.

 

VAIVÉM

* A Arezzo expandiu seu universo e chegou ao circuito do vestuário feminino, com a compra da marca Carol Bassi. A ideia é aumentar o número de lojas e chegar a 20 endereços. A compra girou em torno de R$ 180 milhões. Com as aquisições e parcerias feitas anteriormente, a marca de origem mineira garante seu lugar entre as megaempresas do circuito fashion brasileiro.

 

*  Mudanças de real importância no mercado internacional: o empresário espanhol Amancio Ortega deixou a presidência da Inditex (dona da Zara e outras marcas) e deixou em seu lugar a filha, Marta Ortega. As mudanças que isso trará ao mercado de “fast-fashion” mundial só o tempo dirá.

 

*   O circuito fashion lamentou a morte do estilista Virgil Ablog, que atuava na Louis Vuitton e possuía, também, sua marca. Vítima de um câncer, ainda aos 41 anos. Na homenagem feita a ela em desfile-póstumo, realizado em Miami, a trilha sonora teve música brasileira, do mineiro Lô
Borges, cantada pelo Quarteto em Cy, com direito aos rappers Pharell Williams e Kanye West mergulhados no balanço da música.

 

PONTO FINAL.

A temporada natalina chegou e, com ela, a realização dos chamados bazares de fim de ano. É uma forma de ajudar e também vender um pouco mais. No circuito da moda, muitos são realizados. Só na semana passada, a coluna recebeu mais de 20 convites para ir a alguns deles. O bacana é que nesses eventos, quase sempre, encontram-se modelitos exclusivos, preços bacanas e bom bate-papo com os amigos. Melhor que isso, improvável. 

 

 

Comentários
×