Imorais de plantão

Imorais de plantão 

Não é segredo que as leis brasileiras, além de antigas e não serem para todos, possibilitam inúmeras brechas. Não é segredo também que os “aproveitadores de plantão” vivem por conta disso e se valem delas para causar a desordem. A aberração da vez são funcionários e assessores da Câmara Federal que se aproveitaram de uma abertura na norma que proíbe a entrada na Casa sem cartão de vacina para trabalhar de forma presencial. Por meio de um grupo no WhatsApp, eles também se organizam para "agir na defesa da liberdade" e compartilhar conteúdo antivacina. Era só o que faltava, já não chegam os outros maus exemplos que vêm do topo da pirâmide. Virou “casa da sogra” de vez. 

Defesa da liberdade 

O grupo "Não vacinados - CD", conforme o site Metrópoles, teria sido criado por Evandro de Paula, assessor da deputada Bia Kicis (PSL), e conta com 45 participantes. “Esse não é um grupo antivacina. Estamos unindo os ‘não vacinados’ da Câmara para agir em grupo na defesa da nossa liberdade”, diz a descrição do grupo. O que é bem estranho, visto que, apesar de negar o viés antivax, conteúdos contra a vacinação são compartilhados com frequência pelos funcionários e assessores. É o que então? Nesse caso, não existe meio termo, ou é ou não é. 

Imunidade natural 

A bagunça é tanta que a portaria Nº 6, criada em dezembro de 2021, determina a necessidade de se apresentar comprovante de vacinação para acessar as dependências da Câmara dos Deputados. É aí que vem a falha grave. A publicação também traz uma brecha que permite a apresentação de um laudo laboratorial que comprove a "imunidade natural" dos não vacinados. Dá para entender? Vergonha dupla, tripla, quádrupla, quíntupla... Isso para quem tem, pois, ali e outros locais semelhantes no Brasil, essa palavra não faz parte do sentimento dos seus mandachuvas e seus subordinados.  

O avanço não cessa 

Enquanto esse grupo e outros adeptos brincam de se proteger – “imunidade natural” – o número de mortes no país por covid-19, continua ultrapassando 300 em 24 horas. Vale lembrar também que as vidas perdidas em decorrência da doença se aproximam de 640 mil.  Além disso, existem mais de três mil óbitos por síndrome respiratória aguda grave em investigação por todo lugar deste país. Minas Gerais segue em terceiro no ranking de estados com mais mortes pela covid, com 58.459, e só perde para São Paulo, com 161.489, e Rio de Janeiro, 70.839. Certamente, milhares de pessoas têm curiosidade em saber o que esses grupos pensam disso. O pior é que:  querer que eles pensem seria pedir demais!

Atrás deles 

Como Divinópolis não fica fora do país e também tem muita gente com essa ideia retrógrada, que se acha acima de tudo e todos, segue alto número de moradores com dose de vacina em atraso. A última atualização da Prefeitura mostra que 12.205 cidadãos faltaram à data prevista para aplicação da segunda dose. Outro ponto preocupante é que muita gente já deveria receber a dose de reforço, mas ainda não procurou uma unidade de saúde. Acredite. São 30.591 pessoas que já cumpriram o prazo de 120 dias da segunda dose e “nem tchum”. Isso significa que 42.796 doses a mais já poderiam ter sido aplicadas no município. E não é falta de a Prefeitura fazer o chamado e a imprensa noticiar. Só resta os agentes de saúde terem que bater de porta em porta atrás dos fujões. Um absurdo, mas que não pode ser descartado. “Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé.” É desse modelo. Folgado e desinformado tem em todo lugar. No Brasil então…

Comentários
×