Guarani completa 91 anos com os olhos voltados para o futuro

Alvirrubro faz aniversário sem muito a festejar, mas já pensando na próxima temporada

 

José Carlos de Oliveira

 

O Guarani completou ontem 91 anos, de muita lutas, história, glórias e conquistas, mas com o futuro ainda indefinido quanto à próxima temporada. Pelo menos até o fim do ano, o clube de Porto Velho segue sendo presidido por Robson Luís Camargos, que garantiu sua permanência mesmo com fortes rumores sobre uma possível renúncia após o Bugre não garantir presença no quadrangular do Módulo II 2021, e o quase nulo apoio de torcedores, políticos e empresários locais.

Com o futebol profissional parado, só devendo retomar as atividades na próxima temporada, o clube volta suas atenções agora para as divisões de base. O time sub-17 está na disputa da Segunda Divisão estadual, com estreia marcada para o dia 8 de outubro, quando enfrenta o Inter de Minas, às 15h, no estádio José Flávio de Carvalho, na cidade de Itaúna.

 

Planos para o Farião

 

Aconteceu, na manhã de ontem, no Estádio Waldemar Teixeira de Faria, uma reunião envolvendo representantes do Guarani Esporte Clube e da Prefeitura de Divinópolis, visando o apoio mútuo entre as partes para trazer benefícios ao clube e para a cidade, principalmente ao bairro do Porto Velho, onde o estádio está localizado. 

Durante a reunião, foi tratado sobre o parcelamento da dívida que o clube possui com o Município e formas de melhoria da infraestrutura do clube e dos arredores do estádio, impactando diretamente os moradores da região e na forma como o clube é visto por outras agremiações, facilitando o fechamento de parcerias que beneficiarão a parte esportiva do clube.

Entre outros assuntos, ficou acordada uma nova reunião para a concretização do parcelamento da dívida e para a continuidade dos projetos que trarão um maior conforto e infraestrutura aos moradores da região, incluindo novamente o Guarani na cultura da cidade e colhendo todo o potencial que o clube, que completa agora 91 anos, possui. 

Estiveram presentes na reunião o presidente do Guarani, Robson Luiz de Camargos, o diretor-executivo, Marcus Vinicius Borges, o secretário municipal de Fazenda, Gabriel José Villas Pereira, o presidente do Conselho Deliberativo do Guarani, Aléssio Salomé, os conselheiros beneméritos José Maria Scaldini Garcia, Reinaldo Onésimo, que também é ex-presidente do clube, José Maria Assunção e José Luís de Oliveira, além do líder comunitário do bairro Porto Velho e do vereador Edsom Sousa.

 

Da fundação

 

O Guarani Esporte Clube foi fundado em 20 de setembro de 1930. José de Oliveira reuniu os amigos para a formação de um time de futebol. A partir dessa ideia, a "brincadeira" começou a se tornar séria e foi fundado o Guarani.

Os primeiros anos do time foram marcados pela rivalidade com o Ferroviário Atlético Clube, dos funcionários da Rede Ferroviária Estadual, hoje FCA, que foi o setor mais forte da economia divinopolitana naquele período do século passado.

Em 1936, com o surgimento da Liga Municipal de Desportos de Divinópolis (LMDD) o Guarani se inscreveu no Campeonato da Cidade, mandando seus jogos em um campo onde hoje se encontra a sede da Copasa, entre os bairros Bela Vista e Esplanada. A partir daí, o Bugre consolidou seu nome na cidade e em toda a região.

 

Maiores conquistas

 

Além da hegemonia no campeonato amador da cidade durante anos, o torcedor do Guarani guarda com saudades de grandes feitos do Bugre e o surgimento de jogadores da cidade – Miltinho, Araújo, Lucinho, Felpa, Rubinho, Coca, De Paula, Adilson Coca-Cola, dentre outros –, que se tornaram eternos ídolos e até hoje são lembrados com carinho e saudades pela nação bugrina.

Entre os maiores feitos do Guarani em toda sua história está o vice-campeonato mineiro no ano de 1961, quando perdeu o título para o Cruzeiro nas últimas duas rodadas do torneio, que era disputado no sistema de pontos corridos, na melhor campanha do clube até então, o que fortaleceu ainda mais a paixão do divinopolitano pelo bravo Bugre.

No ano de 1964, o Guarani conquistou o título do Torneio Início do Campeonato Mineiro, numa final contra o Galo. Após empate por 0 a 0 no tempo normal, o Bugre venceu o Atlético Mineiro por 2 a 1 na disputa de penalidades máximas. Na ocasião, o Guarani era escalado da seguinte forma: Pedro Bala; Torres, Faria, Mirim, Luizinho, Gonçalves, Panhoto, Jaime, Sinval (Celmo), Ticrim, Edinho. Técnico: Mário Celso (Marão).

Em torneios nacionais, o Bugre teve sua melhor participação no ano de 1981, quando terminou a Taça de Bronze, atual Série C brasileira, na 4ª colocação.

 

Títulos conquistados:

 

  • tricampeonato Mineiro do Módulo II, temporadas de 2002, 2010 e 2018;
  • Campeonato Mineiro da Segunda Divisão em 1994;
  • Torneio Início do futebol mineiro em 1964, vencendo o Galo por 2 a 1 na decisão de pênaltis.

 

Campanhas de destaque:

 

  • Brasil - 4º Lugar Taça de Bronze (Série C): 1981;
  • Minas Gerais - vice-Campeonato Mineiro Módulo II: 2000.

 

Outras conquistas

 

Categorias de base:

Campeonato Juniores de Divinópolis: 26 vezes;

Campeão Copa Super Craque Sub-17: 2015.

 

Títulos individuais

 

Campeonato Mineiro:

Fernando Roberto - Artilheiro 1979: 16 gols;

Francisco Jailson de Souza (Jajá) - Artilheiro 2008: 7 gols;

Luiz Fernando - Melhor meia 2011 - Seleção do Campeonato Mineiro do Troféu Globo Minas.

 

Mineiro do Módulo II:

Jonatan - Artilheiro 2010: 12 gols.

 

Foto: Divulgação

 

Guarani, 91 anos de história e glórias

Comentários
×