Gerdau investe R$ 185 milhões na modernização da usina em Divinópolis

Aporte histórico trará atualizações tecnológicas e de segurança e gerará quase dois mil novos postos de trabalho

 

Da Redação

Prestes a completar 110 anos, no próximo dia 1º de junho, a história de Divinópolis se mistura com a da ferrovia, a Estrada de Ferro Oeste de Minas, que alavancou o desenvolvimento e crescimento da cidade. Os trilhos chegaram, quando a futura Cidade do Divino,  ainda era apenas um arraial, o ‘Arraial do Divino Espírito Santo. E ao longo dos anos, um dos ciclos de progresso da cidade se deu graças as siderúrgicas, que juntamente com a ferrovia e a confecção de roupas, formaram um dos pilares importantes para o desenvolvimento da cidade. E foi no ano de 1953, que surgiu uma das principais siderúrgicas da cidade, a Cia Siderúrgica Pains, fundada pelo Coronel Jovelino Rabelo e, que trouxe o desenvolvimento, não só para Divinópolis, mas para toda a região. E dando sequência a este desenvolvimento, que no ano de 1994, a então chamada "Pains" foi adquirida pela Gerdau. 

 

Investimentos

E prosseguindo em sua estratégia de desenvolvimento, que a partir de 1º de maio, último, a maior empresa brasileira produtora de aço, deu início às obras do maior plano de investimento dos 27 anos da usina em Divinópolis. O aporte recorde de R$ 185 milhões faz parte do pacote de investimentos de R$ 6 bilhões que a Companhia anunciou no ano passado para Minas Gerais e será direcionado para a modernização e o aprimoramento de sistemas e processos que terão impactos significativos nas condições ambientais e na segurança operacional.

A empresa planeja, há 12 meses, a execução de projetos na aciaria, altos-fornos e laminação. Para as reformas, será necessária a paralisação da unidade. As obras devem durar 30 dias e contarão com dois mil colaboradores diretos e indiretos, contratados exclusivamente para o processo de modernização da planta. O quadro atual de colaboradores será mantido.

 

Sustentabilidade 

O diretor Industrial da Gerdau, Carlos Daroit, conta que plano histórico de investimentos faz parte da estratégia global da empresa em se dedicar ao aperfeiçoamento dos processos vinculados à evolução do pilar de sustentabilidade.

— Os investimentos na planta de Divinópolis confirmam a relevância da unidade para a companhia e a importância de Minas Gerais para os nossos negócios. Estamos focados na sustentabilidade da unidade a longo prazo, preparando-a para seguir atendendo à demanda futura por aço dos nossos clientes em todo o Brasil — afirma.

 

Automação e produtividade

Foram desenhados 11 projetos para a área do alto-forno, totalizando um aporte de R$ 121 milhões, a maior fatia do plano. De acordo com o gerente executivo,  Mauro Castro, responsável pela operação da usina de Divinópolis, os três altos-fornos serão modernizados a partir de uma revitalização.

— O alto-forno 2 terá uma reforma completa de todo o sistema estrutural e refratário. Será realizado uma reforma parcial nos refratários do alto-forno 1 e alto-forno 3. Serão reformados, ainda, o sistema de injeção de carvão vegetal pulverizado (ICP) do alto-forno para reaproveitamento dos finos do biorredutor no processo. O sistema de refrigeração também passará por uma revitalização estrutural — completa Castro.

 

Em Divinópolis

A Gerdau está presente em Divinópolis desde 1994 com uma usina integrada que reúne os processos de alto-forno, aciaria e laminação. A unidade gera na região mais de 920 empregos diretos e indiretos e tem como principal produto o vergalhão usado na construção civil. Desde sua fundação, a usina já realizou diversos investimentos nas áreas de segurança, segurança operacional, administrativo e meio ambiente, chegando em 2021 a soma de R$ 1,6 bilhão. Dentro do eixo ambiental, que integra o DNA estratégico da Companhia em todo o mundo, a usina de Divinópolis se destaca pelos índices positivos de reaproveitamento de água (98%), pela utilização de sucata metálica e carvão vegetal provenientes de florestas plantadas da empresa, além de pontos de monitoramento ambiental dentro e fora da unidade e investimentos constantes em novos equipamentos e boas práticas.

 

Comentários
×