Geoprocessamento é apresentado aos vereadores

Piscinas, áreas de até 30 metros quadrados, áreas com até 2 metros de altura, galinheiros, casinhas de cachorros, sótãos, porões, caixa d’água, casa de máquinas e similares não são acrescidos à soma da área construída, portanto, não serão considerados para o cálcu

Da Redação

Foi realizada, na tarde desta sexta-feira, 12, no Centro Administrativo da Prefeitura de Divinópolis, uma reunião de apresentação dos detalhes técnicos do geoprocessamento aos vereadores. A apresentação foi realizada pelo secretário de Fazenda, Gabriel Vivas, que destacou a importância de os vereadores terem conhecimento sobre o assunto.

— É muito importante que a população e todos os vereadores entendam que está acontecendo se trata de uma atualização cadastral dos imóveis que tiveram suas áreas construídas aumentadas e não atualizadas na Prefeitura, ou seja, é uma correção dos dados imobiliários da cidade. Portanto, se o imóvel está devidamente atualizado no Cadastro Imobiliário, o valor do IPTU se mantém o mesmo — garantiu.

Ainda, segundo o secretário Gabriel Vivas, piscinas, áreas de até 30 metros quadrados, áreas com até 2 metros de altura, galinheiros, casinhas de cachorros, sótãos, porões, caixa d’água, casa de máquinas e similares não são acrescidos à soma da área construída, portanto, não serão considerados para o cálculo da área acrescida.

De acordo com a vice-prefeita Janete Aparecida, que já foi vereadora, uma reunião como está ainda não havia sido realizada com o legislativo.

— Esta apresentação é um momento de extrema relevância, uma vez que o esclarecimento sobre o geoprocessamento não havia sido realizado na gestão passada, o que gerou várias dúvidas. Essa reunião foi imprescindível para sanar as dúvidas dos vereadores para que eles, juntamente com a prefeitura, possam munir os cidadãos de informações — destacou.

O prefeito Gleidson Azevedo, lembrou do compromisso com a transparência e a necessidade de união entre os poderes.

— Os vereadores representam a população e devem ter conhecimento do assunto para também informar, com seriedade e verdade, aqueles que lhes procuram com questionamentos. Estou dando prosseguimento não por concordar, mas pelo geoprocessamento ser obrigação legal, e para não descartar um investimento de mais de R$ 5 milhões que a gestão passada realizou.  O objetivo dessa medida é corrigir distorções que vem de décadas, cada um deve pagar o IPTU de acordo com o imóvel que possui, isso é fazer justiça social. Não vai ocorrer aumento de IPTU, somente vai haver acréscimo de valor se tiver ocorrido aumento na área do imóvel em mais de 30 m e mais de 15% da área total — ressaltou.

O vereador Édson Souza, líder do Governo na Câmara, disse que foi uma reunião muito produtiva.

— Quando passamos a conhecer um fato ou fenômeno, passamos a conhecer a verdade. Parabéns, secretário pela sua colocação, parabéns para toda equipe, saímos daqui mais entendedores do assunto — comemorou.

Estiveram presentes os vereadores e vereadoras: Ana Paula Freitas, Eduardo Azevedo, Flávio Marra, Hilton de Aguiar, Israel Mendonça, José Braz, Lohanna França, Ney Burguer, Rodyson do Zé Milton, Wesley Jarbas. Os vereadores Eduardo Print Júnior e Josafá, enviaram representantes.

Também participaram da reunião, o secretário de Administração, Thiago Nunes; o secretário de Meio Ambiente, Pablonelli Vidal; o assessor especial de Governo, Fernando Henrique; demais servidores municipais e alguns assessores dos parlamentares.

Comentários
×