Fashion Future

 

BLOCO DE MODA

Wagner Penna

 

Fashion Future

A rede de fast-fashion C&A (de origem holandesa) promoveu o concurso Fashion Future, que, como o diz nome, pretende descobrir talentos da moda com propostas sustentáveis. O tema é próximo da empresa, que, por várias vezes, já conquistou a indicação de empresa de moda que melhor cuida da sustentabilidade.

Dito isso, há de se registrar também que a rede de lojas pretende, com esse concurso, incentivar entre a nova geração as práticas ambientalmente amigas e, principalmente, engajá-la no chamado processo de produção circular ‒ em que o reaproveitamento das sobras e dos descartes tenha alguma utilização bacana.

Com votação pela internet e por um júri especializado, o Fashion Future 2021 apontou  como vencedores as marcas Las Comas, LigaTransforma, DaTerraProject, Ateliê Transmoras. Também foram escolhidas as personalidades da moda do ano, destacando-se a Carol Barreto (do projeto Modativismo da Bahia) e  Lucas Leão (o primeiro no país a comercializar marcas digitais) – e assinalando-se, também, o trabalho de Nelsa Nespolo, Rafaela Pinah e Zaya.

 

VAIVÉM

  • A feira BH-à-Porter  terá  sua edição de inverno no próximo mês de março, entre os dias 7 e 11 – com os estandes das marcas participantes abrindo seus showrooms, em Beagá. O assunto foi divulgado até pelo estilista Eduardo Amarante (campeão de vendas nas edições passadas), em vídeo postado pela consultora Sibelle Menezes. Bacanésimo!

 

  • A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) baixou as regulamentações para a indústria de vestuário – estabelecendo que, em vez de tamanhos P, M e G ou GG e outros, as peças terão que ter bem claro os centímetros dos quadris, cintura e tórax. Chegou-se a esse padrão após pesquisa que indicou os formatos do corpo da mulher brasileira entre o retangular e o “colher” (estreita no tórax e larga nos quadris). Existem muitos outros, mas esses são os que predominam. Assim, com medidas mais exatas, as roupas ficam mais fáceis de escolher nas lojas.

 

  •   Os showrooms das marcas que trabalham com moda festa, venderam todo o seu estoque em novembro. A procura imensa, de última hora, foi uma surpresa. O outro lado da moeda é que não teve matéria-prima para recompor o estoque. Com isso, muitas vendas foram perdidas em dezembro. Uma pena.

 

PONTO FINAL.

Nesta semana, a notícia fashion foi a compra pela plataforma de roupas usadas Enjoei do brechó digital de luxo Gringa ‒ por R$14,5 milhões. O negócio pertencia à atriz Fiorella Mattheis, que continua à frente das operações. O brechó só comercializa acessórios de grifes famosas e tem tíquete médio de vendas em torno de R$ 3.200,00. Resumo da ópera: como a gente vem dizendo aqui, a moda agora está mais nas páginas da economia do que de estilo. 

 

Comentários
×