Empresa responsável pela MG-050 não confirma instalação de passarela

AB Nascentes voltou a dizer que construção não está prevista em contrato; políticos anunciaram a novidade após reunião em BH

 

Bruno Bueno

Moradores do Quintino e região comemoram o anúncio da instalação de uma passarela na travessia da MG-050, próximo à entrada do bairro. A informação foi divulgada na tarde da última quarta pelo deputado Cleitinho Azevedo (CDN) e pela vereadora Ana Paula do Quintino (PSC). Em reunião realizada com membros da Secretaria de Estado de  Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), os políticos informaram que a pasta confirmou que a tão sonhada construção iria sair do papel.

No entanto, o início das instalações ainda é incerto. Questionada pelo Agora na tarde de ontem, a AB Nascentes das Gerais, empresa responsável pela MG-050, não confirmou a instalação da passarela. A concessionária admitiu que está em negociações, mas ressaltou que a passagem de pedestres não está prevista em contrato.

 

Contrato

O contrato firmado em 2007 não estabelece, segundo a empresa, a instalação de uma passarela no trecho. A concessionária admite, contudo, que está discutindo a possibilidade das instalações.

— Sobre a demanda para a passarela de pedestres no trecho duplicado, próximo ao km 131,800, esclarecemos que não está previsto no contrato de concessão. Entretanto, há discussões para inclusão da nova obra com Seinfra, bem como um pedido formal de orçamento que está em elaboração por parte desta concessionária — afirmou.

A empresa aproveitou a nota para relembrar que já concluiu todas as instalações previstas para a região próxima ao bairro Quintino. 

A nova construção depende de trâmites necessários de inclusão no contrato de concessão. A ação é feita por um termo aditivo.

 

— A AB Nascentes das Gerais informa que todas as obras previstas no contrato de concessão para a região do bairro Quintino, em Divinópolis, foram executadas pela concessionária e liberadas para o tráfego em junho de 2021. Na região do bairro Quintino, foram realizadas duplicações de pistas do trecho entre o km 130 ao km 132,8, onde foi construído um novo viaduto com retorno em dois níveis — disse.

 

Acidente

A cobrança por uma passarela se intensificou desde o último domingo, quando uma mulher, de 56 anos, morreu ao tentar atravessar a pista. 

Francisca de Fátima da Silva Salvino, moradora do bairro Nilda Barros, foi atropelada, próximo à entrada do Quintino. 

De acordo com informações do Samu, a vítima apresentava múltiplas escoriações e politrauma. Ela já estava em óbito quando a Unidade de Suporte Avançado (USA) chegou ao local. A apuração do Agora confirmou que o carro que atingiu a vítima é um Chevrolet Prisma. 

 

Cobrança

Logo após o acidente, o deputado Cleitinho Azevedo (CDN) e a vereadora Ana Paula do Quintino (PSC)  anunciaram que iriam a Belo Horizonte em uma reunião com representantes do Seinfra. Segundo o deputado, o secretário da pasta, Scharlack Marcato, se comprometeu a garantir a instalação da travessia. Ainda segundo o parlamentar, o compromisso já havia sido acordado em novembro do ano passado, mas sem indicações posteriores. 

— Segundo o secretário, o equipamento que irá garantir a segurança dos moradores está garantido. Ele afirma que a demora se dá em razão dos trâmites burocráticos, já que foi necessário fazer um aditivo ao contrato de concessão da empresa AB Nascentes. Ele acredita que o trâmite ainda deve durar cerca de 120 dias — comunicou, em nota, o deputado.

 

Segundo a Seinfra, o orçamento aponta a necessidade do investimento de quase R$ 2 milhões para a obra.

— O bairro Quintino hoje conta com muitos moradores que trabalham em São Sebastião do Oeste e, com isso, na volta para casa, são obrigados a desembarcar dos ônibus no lado oposto da pista, forçando-os a atravessar 050, o que os expõe a riscos de acidentes — justificou.

 

Contradição

Em conversa divulgada por Cleitinho, o secretário explica ao deputado que a construção da passarela já foi autorizada, inclusive com a realização do orçamento para a obra. No entanto, ele alerta ao político que ele deverá “brigar” com a empresa responsável pela rodovia para realizar as obras. 

— Você sabe como é, né, Cleitinho? Vai ter que brigar com a AB Nascentes — disse.

 

O secretário justificou o atraso das obras, prometidas em novembro, afirmando que os trâmites que envolvem recursos do Estado burocratizam e atrapalham o andamento das ações.

— Do ponto de vista da decisão política foi tomada naquela reunião, inclusive com o compromisso com a vereadora. Agora a gente precisa empurrar o barco. (...) O que precisamos é isso, superar esses trâmites. O valor está liberado e a autorização foi dada já — ressaltou o secretário.

 

 Radar

Cleitinho solicitou ao secretário a instalação de um redutor de velocidade no local até o término da obra para evitar novas tragédias.

A secretaria informou a Cleitinho que acionará o Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG) para ir ao local até na próxima semana para avaliar a possibilidade de implantação do equipamento de segurança.

 

Comentários
×