E as rosas não murcharam

ANTÔNIO DE OLIVEIRA

E as rosas não murcharam 

 “What’s in a name?” Essa pergunta vem desde Shakespeare. Para não dizer desde a Antiguidade. O que quer dizer um nome, um substantivo próprio ou comum? Nesse sentido, verdadeiramente, como costumava repetir Chico Anysio, num quadro seu:

“Palavras são palavras, nada mais que palavras...”.

Fatores desse modo de considerar os nomes são chamados de nominalistas.

Quando não se quer mudar a realidade, mudam-se os termos por sinônimos.

A palavra é considerada um dom divino.

Padre Antônio Vieira tem um sermão sobre esse tema:

Saiu o semeador a semear...

O resultado não dependeu “somente da semente” tampouco do semeador, mas da qualidade da terra, se fértil ou daninha. “Os espinhos, as pedras, o caminho e a terra são os diversos corações dos homens”, sentencia Vieira.

O que há num nome? Semente, semeador, terra boa, broto, flor. Uma rosa?

Sempre que faço aniversário, meu filho e família me presenteiam, do exterior, com rosas. Rosas que resistem em murchar... Pois, de certa forma, falam.

Uma rosa vermelha para cada ano de vida. Ufa...

A sociedade sempre se valeu de representações.

Alguém ou alguma coisa que se faz presente no lugar de outrem.

Gertrude Stein (1874-1946) acreditava que a repetição revelaria a verdade das coisas e das pessoas, como em seu poema Sacred Emily:

Uma rosa é uma rosa é uma rosa. “Rose is a rose is a rose is a rose”.

Nesse poema, a primeira Rosa é o nome de uma pessoa.

[email protected]

Comentários
×