Duas empresas chegam à fase final do processo que vai escolher gestora da UPA

Processo promete ser acirrado; escolhida vai substituir IBDS, destituído após constatação de irregularidades

 

Da Redação 

Ainda sob gestão  do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Social (IBDS), a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Padre Roberto terá em breve uma nova administração. Duas empresas estão na fase final do processo licitatório. Conforme informações da Prefeitura, alcançaram as etapas finais o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas (IBRAPP) - São Luís/MA e a Santa Casa de Misericórdia de Chavantes- Chavantes/SP.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) das três empresas previamente qualificadas, apenas as duas compareceram à sessão pública da Concorrência nº 006/2022 e foram habilitadas. 

Contrato rescindido

Por causa de irregularidades, o contrato do IBDS, responsável por administrar a UPA Padre Roberto, foi rescindido em fevereiro, prorrogado em março por mais quatro meses e desde a rescisão, a Prefeitura iniciou processo licitatório para contratar uma nova empresa. Até a escolhida assumir, o próprio IBDS segue na gestão da unidade.

Processo licitatório

Os envelopes quanto à qualificação técnica das empresas foram abertos na segunda-feira, 11. Diante do volume da documentação apresentada, a sessão foi suspensa e foi concedido o prazo de três dias para que Comissão Técnica Especial analisasse todos os documentos apresentados.

Esta comissão terá três dias para análise. Após a publicação do resultado e da pontuação atinente à qualificação técnica, as empresas participantes têm cinco dias para eventual interposição de recurso. Superada a fase recursal, a Semusa publicará a data da abertura dos envelopes contendo a proposta financeira das concorrentes.

O que levou a rescisão com o IBDS

Após denúncias de usuários do SUS, que não receberam atendimentos adequados na UPA, membros da Comissão de Saúde da Câmara estiveram no local onde também funcionava na ocasião o Hospital de Campanha para o atendimento a pacientes de covid-19. O intuito da visita foi apurar as denúncias de irregularidades, as quais foram comprovadas, como a falta de medicamentos e bombas de infusão para pacientes, além de outras pendências.

Ao ser oficializada a denúncia, a Vigilância em Saúde solicitou que a empresa administradora da UPA até então, enviasse um relatório de atendimento, mas o documento não foi enviado.

Ainda na ocasião, o Executivo determinou que a unidade não recebesse mais pacientes e comunicou sobre a abertura de Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

Já no dia 10 de junho, o município voltou a autorizar internações após a empresa gestora comprovar que havia regularizado os problemas referentes a medicamentos apontados pela Comissão de Saúde.

Mas, ainda assim, no dia 8 de outubro de 2021, o contrato com o IBDS foi rescindido depois que o relatório final do PAD apontou mais irregularidades na prestação de contas ao município.

A Prefeitura então anunciou a abertura de um processo licitatório para contratação de uma nova gestora e disse à época que o IBDS seguiria  à frente da instituição até que o processo fosse finalizado.

 

Comentários
×