Divinopolitano que joga na Ucrânia não consegue deixar o país

"Tem muita gente querendo cruzar a fronteira", contou o pai do jogador.

Da Redação

Há sete meses, o jogador Thalles Brener de Paula, de apenas 23 anos, natural de Divinópolis, assinava contrato com o Rukh Iviv, clube da primeira divisão da Ucrânia. Desde o início daquele ano, o atleta já atuava na Ucrânia, porém na segunda divisão, pelo Olimpik Donetsk.

A oportunidade de crescimento no futebol europeu, porém, durou pouco. Com a operação militar da Rússia contra a Ucrânia, Thalles e outros jogadores que atuam no país tentam deixar o país. Os relatos são similares: dificuldades em cruzar a fronteira.

O espaço aéreo segue fechado, inviabilizando o deslocamento por avião. Por terra, engarrafamentos nas estradas e longas filas à espera de trens. A pé, o cenário não é diferente, com relatos de militares barrando a saída dos cidadãos ucranianos, especialmente homens acima de 18 anos. 

O pai do jogador, o ex-atleta de Divinópolis conhecido como 'Poeta', contou à reportagem que o filho ainda está na fronteira. 

— Tem muita gente querendo passar — relatou. 

Questionado sobre a condição do filho, ele respondeu: 

— Bem não, mas está suportando — afirmou.

O filho, explicou o pai, cogita voltar para Lviv, cidade do clube, com mais de 800 mil habitantes, no oeste do país e próxima à fronteira com a Polônia.

No oeste da Ucrânia, Lviv faz fronteira com a Polônia, por onde cidadãos e estrangeiros tentam deixar o país.

 

 
Comentários
×