Divinópolis tem fim de semana com homicídios, roubos tentados e criança baleada na porta de igreja

PM afirma que índices estão dentro de metas mensais sobre crimes violentos

Da Redação  

A sensação de insegurança tem aumentado nos últimos dias em Divinópolis, com a quantidade de homicídios, roubos e outros crimes violentos. No entanto, mesmo diante de índices aparentemente alarmantes, a Polícia Militar (PM) disse ao Jornal Agora que os registros estão dentro de parâmetros mensais, embora o número não tenha sido informado.

Só neste fim de semana foram duas pessoas encontradas mortas, um roubo de R$ 40 mil de um comerciante e uma tentativa de assalto a um carro que terminou com uma criança de sete anos baleada na perna e um registro de corpo encontrado. Para a psicóloga Mariana Santos, a sensação de insegurança ocorre justamente por conta da divulgação em massa da imprensa, o que é inevitável em um contexto de difusão de informações.

— A sensação de insegurança é capaz de causar diversos bloqueios nas pessoas, mal-estar, angústias e até mesmo depressão. Ou seja, se torna algo patológico, a partir do momento em que se tem ciência dos fatos cruéis que ocorrem cotidianamente, o que é inevitável, pois eles ocorrem de fato e devem, sim, ser noticiados. A questão é batalhar por políticas de segurança nas localidades mais vulneráveis, batalhar por um efetivo de policiais mais amplo, batalhar por dispositivos que sejam capazes de promover segurança para além da sensação, mas, sim, na sua efetividade — disse.

Sobre as ocorrências registradas no fim de semana em Divinópolis, a Polícia Militar segue em diligências para localizar envolvidos em um trabalho conjunto com a Polícia Civil, que cotidianamente instaura procedimentos de apuração para que os crimes sejam esclarecidos.

Sobre o homicídio registrado no bairro Rancho Alegre, a PM já prendeu dois envolvidos. Os demais crimes seguem sendo apurados. Veja abaixo os registros já divulgados pelo Agora nas plataformas digitais.

Dois homicídios em menos de cinco horas

Neste sábado, 17, foram dois homicídios registrados em menos de cinco horas. No primeiro caso, um homem, de 31 anos, foi morto com um tiro na cabeça e no peito na no bairro Rancho Alegre. A prisão dos suspeitos ocorreu logo após o crime. 

 Moradores contaram que viram o corpo da vítima no chão da rua Itapecerica e chamaram a Polícia Militar. A Perícia compareceu e realizou os trabalhos de rotina.

O homem tinha passagens por tráfico de drogas, roubo, furto, ameaça e lesão corporal. De acordo com a PM, ele era conhecido no bairro pelo vício em drogas, e por importunar os moradores com pequenos furtos e abordagens intimidativas.

Em menos de cinco horas, também no sábado, um homem de 32 anos foi morto a tiros no quintal da própria casa no bairro Niterói. A Polícia Militar foi chamada na rua Niquelina por volta das 5h50. No local, os policiais se depararam com a vítima caída no quintal de casa, sem vida. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esteve no local e atestou o óbito.

 A perícia da Polícia Civil também compareceu. Foram constatadas cinco perfurações: duas no braço, uma nas costas e outras duas no peito. A motivação do crime será investigada.

 A PM disse ainda que a vítima tinha passagens por tráfico de drogas. Os militares iniciaram diligências para tentar localizar os suspeitos e ninguém foi preso ainda.

Corpo encontrado

Também no sábado, 17, o corpo de uma mulher de 40 anos foi encontrado boiando nas águas de uma usina hidrelétrica, no bairro Vila Santo André. A Polícia Civil informou que instaurou inquérito para apurar as causas e circunstâncias da morte.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o corpo estava preso no canal da usina hidrelétrica, próximo ao Parque da Ilha, e foi visto boiando.

A perícia compareceu ao local para os trabalhos de rotina. Em seguida, o corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML).

Tentativas de roubo

No domingo,18, foram duas tentativas de roubo que terminaram com duas pessoas feridas, uma delas, uma criança de sete anos de idade que estava na porta de uma igreja, quando foi abordada por um criminoso armado.

De acordo com a polícia, era por volta de 21h, quando o menino saiu de dentro da igreja Assembleia de Deus no Ipiranga, e foi até o carro guardar uma bolsa. Nesse momento, ele foi abordado por um homem armado que exigiu a chave do veículo, mas o menino disse que estava com os pais dentro da igreja e se afastou para buscar.

 Uma pessoa que estava na porta da igreja percebeu a ação e tentou intervir. Em seguida, o ladrão disparou algumas vezes e depois fugiu com um comparsa em um carro. Um dos tiros atingiu a perna da criança, que foi socorrida pelos pais e levada até o hospital. A PM informou que faz rastreamentos para encontrar os criminosos.

O segundo registro de tentativa de assalto foi no bairro Bom Pastor. A Polícia Militar  explicou que o homem foi surpreendido por duas pessoas enquanto fechava o estabelecimento comercial.

Eles chegaram por trás do proprietário, que foi ameaçado por um dos indivíduos que estava com uma faca. O dono do bar tentou segurar a lâmina da faca com a mão e acabou sendo ferido.

O homem começou a gritar e os ladrões fugiram sentido à rua Centralina, sem conseguir roubar nada. A PM faz rastreamento, mas a dupla ainda não foi presa. O homem foi socorrido e levado à UPA com ferimento profundo na mão. 

Roubo a comerciante

O roubo consumado, teve como vítima um comerciante de 60 anos, que perdeu R$ 40 mil e ainda foi agredido com uma coronhada na cabeça. Ninguém foi preso até o momento. 

A vítima disse para a PM que foi abordada por duas pessoas, uma delas armada, no momento em que seguia para um caminhão que o aguardava na rua Rio Grande do Sul, no Centro, e iria para o Ceasa em Contagem.

Durante o assalto, um dos suspeitos agrediu o idoso com uma coronhada na cabeça e exigiu que ele entregasse todos os pertences. Em seguida, a dupla fugiu de moto pela rua Rio de Janeiro.

 

Comentários
×