Diretoria do Guarani vai até a última instância contra rebaixamento

Presidente afirma que culpa é da Federação Mineira; nova análise do julgamento ocorreu na última terça-feira

Da Redação 

A manutenção da punição ao Guarani que o rebaixou à Segunda Divisão, a terceirona do Campeonato Mineiro, não agradou nada a diretoria do Bugre divinopolitano. O presidente do clube, Robson Guimarães, fez duras críticas à Federação Mineira de Futebol (FMF) e integrantes do Tribunal de Justiça Desportiva de Minas Gerais (TJD). Afirmou que vai até a última instância para tentar reverter a situação. 

A nova análise do TJD ocorreu na noite da última terça-feira, 25, em Belo Horizonte e beneficiou o Aymorés, autor da ação, que escapou do rebaixamento. O resultado foi 6 a 1 para manter a punição ao Bugre. A punição ao Bugre cabe recurso no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Críticas 

Nas redes sociais, o presidente fez várias postagens reclamando. Em uma delas, ele disse: 

— Lembram quando o Vila Nova tomou uma punição de 16 pontos por escalar um jogador irregular? Então o Vila não foi rebaixado naquela ocasião — exemplificou.

E seguiu pontuando situações e desabafando.

— Estão dando a nosso clube a maior das penas com o agravante do rebaixamento quando no máximo deveria ser uma multa ou trocar por pena alternativa. Não houve ganho técnico ou vantagem alguma ao clube por esta falha cometida pela FMF. Ressalto que o erro não foi nosso e sim da Federação — argumentou. 

O calendário de competições da federação prevê o início do Módulo 2 no dia 26 de março.

Entenda o caso 

O Aymorés de Ubá, cidade do Triângulo Mineiro, entrou com uma notícia infracional contra o Guarani, no ano passado, alegando irregularidade de inscrições de jogadores no Mineiro módulo ll de 2021. A justificativa é fundamentada no regulamento da competição, que prevê a inscrição de 30 atletas em súmula, mas o time do Porto Velho inscreveu 31.

Em novembro do ano passado, a terceira Câmara do TJD puniu o Guarani com a perda de três pontos e multa de R$ 400. A diretoria recorreu e a nova análise ocorreu na última terça. 

Nota 

Após a decisão, a diretoria publicou uma nota mais uma vez lamentando a decisão e com mais acusações. 

— O Guarani não concorda com tal decisão. Iremos ao STJD, com o recurso a fim de reparar esta injustiça e perseguição que estão fazendo ao nosso querido clube. O Guarani há muito tempo vem sendo prejudicado por decisões equivocadas do TJD de Minas Gerais e esperamos poder no STJD. Iremos até o fim, desistir não é uma opção. Nos lembramos de quando a FMF tomou a vaga do Guarani na Série C e deu para o América, agora estão tentando tomar a vaga para dar para o Aymorés, mostrando o poder do dinheiro. Tendo em vista o ocorrido com o América, é bom lembrar que existe um processo do MP contra a Federação pedindo indenização contra o clube divinopolitano — encerra a nota da diretoria. 

Comentários
×