Desfile está de volta depois de quatro anos de avenida vazia

Falta de recursos e a pandemia da covid-19 foram os entraves para a não realização do tradicional cortejo

 

 

Da Redação

Divinópolis interrompe, neste dia 1°, o ciclo de quatro aniversários consecutivos sem o tradicional desfile cívico em celebração à sua emancipação. Deste 2017, quando celebrou 105 anos, as atuais administrações enfrentaram dificuldades que causaram entraves na realização do evento. Neste ano, porém, aos 110, o evento está de volta.

 

2018

O ano de 2018 marcou a quebra da tradição. O contexto, no entanto, é anterior ao aniversário. Em 21 de maio daquele ano, os caminhoneiros paralisaram as atividades em protesto contra a alta do diesel e a tabela do frete, entre outras reivindicações. Com caminhões parados e rodovias bloqueadas, logo faltou combustível nos postos. O movimento, de adesão nacional, também gerou consequências em Divinópolis, como escassez de insumos e o temor do risco de desabastecimento. 

Diante da situação e após discussões internas, a Prefeitura de Divinópolis anunciou o cancelamento do desfile. O decreto publicado na época mencionava “as sérias implicações práticas ocasionadas pela paralisação nacional dos motoristas de veículos destinados ao transporte de cargas”. 

— Fato de que a referida paralisação afetou, sobremaneira, o acesso ao abastecimento dos veículos, em sua generalidade; a escassez de combustível recomenda a priorização de setores administrativos essenciais para o atendimento das demandas afetas à saúde pública e aos serviços de limpeza urbana, indispensáveis para a manutenção da salubridade comunitária, dentre outros — acrescentava a decisão. 

Neste período, a gestão, comandada pelo prefeito Galileu Machado (MDB), citou não ser possível “se dar ao luxo de gastar combustível para as despesas do desfile cívico”, sendo prioridade assegurar o funcionamento dos serviços essenciais.

 

2019

No ano seguinte, o desfile chegou a ser confirmado, mas não foi realizado. Semanas após o anúncio, a Prefeitura informou, em reunião com os vereadores e demais autoridades, um pacote de medidas econômicas para enfrentar a crise financeira. Desde novembro de 2018, a cidade vivia sob o decreto de estado de emergência financeira. O motivo era a retenção, por parte do governo estadual, dos repasses aos municípios. Os valores, que chegariam a ultrapassar R$ 100 milhões, eram, em 2019, de mais de R$ 15 milhões. 

Dentre as medidas econômicas anunciadas, estava o cancelamento do desfile. Segundo informou, o evento custaria aproximadamente R$ 70 mil. O valor era investido na contratação de segurança, gradil, som, palco, banheiros, transporte para estudantes e outras necessidades de estrutura. 

 

2020 e 2021

Os motivos nos dois últimos anos são de natureza sanitária, não econômica. Divinópolis confirmava, em março de 2020, o primeiro caso de coronavírus — que também foi o pioneiro no estado. Desde então, entre altos e baixos, a pandemia escalou. Naquele ano, a doença ainda tinha sua complexidade incerta e não havia vacinas disponíveis. Com base nas recomendações das autoridades de saúde, devido ao alto risco de disseminação do vírus em aglomerações, o desfile foi cancelado. Assim, Galileu encerrou seu mandato com apenas uma celebração do tradicional evento.

Em 2021, a Administração municipal mudou, porém a situação permaneceu a mesma. A vacinação caminhava a passos lentos com a distribuição limitada de imunizantes e os casos continuavam a subir. Pelo 4º ano consecutivo, Divinópolis celebrou seu aniversário de emancipação apenas com atividades pontuais, como o hasteamento de bandeiras e missa. 

 

Hoje

Os 110 anos serão comemorados hoje, às 8h30, com saída da Praça da Catedral, e a participação de entidades, associações, corporações militares, escolas e outros órgãos. Com a pandemia sob controle, o uso de máscara desobrigado e o retorno de eventos com grande público, o ciclo é quebrado e o desfile está de volta. 

 

Comentários
×