Déficit de efetivo no Corpo de Bombeiros preocupa comissão

O aumento do efetivo no Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), além de demandas pontuais envolvendo o reforço em viaturas, armamentos e outros equipamentos utilizados pelos membros da corporação em municípios do Estado. Essas foram as principais demandas trazidas ao comandante-geral do CBM, coronel Edgard Estevo da Silva, que participou de reunião do Assembleia Fiscaliza, exercício 2022.

Consulte o resultado e assista ao vídeo completo da reunião

 

Depois de elogiar a atuação do comandante, o presidente da Comissão de Segurança Pública, deputado Sargento Rodrigues (PL), disse que sua maior preocupação no que se refere aos bombeiros diz respeito ao deficit de efetivo. Apoiado em dado apontado pelo próprio comandante, o parlamentar destacou que a corporação tem hoje 27,78% militares a menos do que seria o ideal.

Edgard Estevo havia informado que o CBMMG conta atualmente com 5.768 militares sendo que a previsão de pessoal seria de 7.999. Do total existente, 4.753 são praças e 1.015, oficiais. Ele registrou os números dos anos anteriores: em 2019, eram 5.739; em 2020, 6.078; em 2021, 5.810.

Sargento Rodrigues fez um apelo ao comandante: Talvez só olhar para os números seja frio, mas há uma necessidade de recompor o efetivo.”

O deputado refletiu que o Governo de Estado tem recebendo recursos extras que têm, entre suas origens, acordos judiciais como o da Vale, devido à tragédia em Brumadinho (Região Metropolitana de Belo Horizonte). E contando com esse aumento orçamentário, o governo deveria fazer uma contrapartida em investimentos, especialmente aumentando o efetivo dos bombeiros.

O comandante-geral destacou que, apesar de o efetivo apresentar baixo incremento nos últimos anos, a atuação do CBM tem sido ampliada.

— Desde 2019, nosso destaque é a busca por atender mais e melhor. Inauguramos várias frações, apesar de termos praticamente o mesmo efetivo — disse.

Ele citou ainda que em 2020, foram inauguradas três novas frações (unidades); em 2021, cinco;  e em 2022, seis. Essas últimas beneficiaram Araçuaí e Capelinha, no Jequitinhonha; São Gonçalo do Rio Abaixo e Três Marias, na Região Central; Cataguases (Mata) e Guanhães (Rio Doce).

Demandas locais

 

Por fim, Sargento Rodrigues reivindicou equipamentos para alguns municípios, atendendo a cobranças que chegaram ao gabinete. Segundo ele, bombeiros de Paracatu (Noroeste de Minas) solicitaram o fornecimento de armamentos mais novos e o oferecimento de cursos de tiro prático para garantir maior segurança às unidades locais.

Já bombeiros de Ribeirão das Neves (RMBH) requisitaram viaturas novas, pois as atuais estariam em “péssimas condições”, conforme relatou o deputado.

Uma solicitação para todo o CBM feita por ele diz respeito ao fornecimento de 3.420 armários para armazenar os macacões anti-chamas dos servidores. De acordo com o parlamentar, atualmente, essas vestimentas ficam junto com as roupas usadas pelo militar quando está a paisana.

Equipamentos

Em resposta, o coronel Edgard Estevo informou que em 2022, 1.757 bombeiros passaram pelo curso de tiro prático, sendo que Paracatu foi contemplado. Sobre o armamento, ele considerou que ainda é o adequado para a guarda, mas que vai verificar a situação.

Em relação a Ribeirão das Neves, o gestor disse que há uma emenda federal aprovada para fornecer viaturas, sendo uma delas destinada a essa cidade. Completou que existe no CBMMG um plano de distribuição prevendo que as viaturas mais antigas serão as primeiras a trocar e, com isso, Neves deve ser atendida também nessa leva.

Concursos regulares permitem recomposição parcial 

Quanto ao efetivo deficitário, o militar reconheceu a dificuldade da recomposição da tropa. Por outro lado, ressalvou que conhece também a realidade dos outros Corpos de Bombeiros do País. E citou que, no Amazonas, há 10 anos, não fazem concursos; no Rio, houve grande redução do CBM; e que, comparando às populações de São Paulo e Minas, observa-se que as condições mineiras são melhores.

— Temos concursos regulares nos bombeiros, mesmo com as dificuldades financeiras que o Estado enfrentou, permitindo que façamos nossa recomposição.

 

Além disso, afirmou, que o CBM está conseguindo otimizar seus recursos humanos, ampliando os atendimentos.

— Estamos atendendo mais e melhor — elogiou.

 

Com informações da ALMG.

 

Comentários
×