Comerciante indiciado por estupro usava balas e quitandas para atrair vítimas em Arcos

Ele foi preso em Contagem, segundo a Polícia Civil

Da Redação

Um comerciante, de 69 anos, foi indiciado por estupro de vulnerável contra duas meninas, de 10 e 11 anos de idade em Arcos. Segundo informações da Polícia Civil, o suspeito foi detido em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na última quinta-feira, 15.

Denúncia feita pela escola

De acordo com o delegado responsável pelo inquérito, Patrick Carvalho, titular da Delegacia de Polícia Civil em Arcos, as investigações tiveram início a partir de denúncia realizada pela escola onde a vítima de 10 anos estudava. Na ocasião, funcionários do local acionaram a Polícia Militar ao perceberem que a menina estava inquieta.

Abusos

Conforme o relato da vítima, no dia do crime, ela se deslocava para a escola, quando resolveu passar na mercearia do suspeito e ficou olhando um biscoito e um doce, mas não efetuou a compra já que não tinha dinheiro naquele momento. A cena foi presenciada pelo investigado, que se aproximou da menina e deu a ela diversos produtos, como balas, doces e bolachas. Em seguida, o homem teria acariciado o corpo da vítima e ainda levou as mãos dela até seus órgãos genitais por cima da calça, dizendo que não era para ela contar a ninguém.

Após diversos levantamentos na região do estabelecimento, uma segunda vítima, de 11 anos, também foi identificada pela equipe de investigadores.

—Durante o procedimento de escuta especializada, ela revelou que o suspeito ‘faz coisa errada com as meninas’ e declarou que ele a chamou para os fundos do estabelecimento, mas que se recusou a ir por desconfiar das intenções dele. Ela também contou que em outra oportunidade o suspeito levantou sua blusa e passou a mão em seu abdômen— contou.

Indiciamento

O procedimento culminou no indiciamento do investigado, no dia 16 de setembro, por dois crimes de estupro de vulnerável consumados - e remetido ao Poder Judiciário. O suspeito foi encaminhado ao sistema prisional, onde permanece à disposição da Justiça.

Comentários
×